Perfil de clientes hospitalizados com lesões cutâneas

Carla Chibante Carla Chibante, Fátima Helena Espírito santo Fátima, Thayane Dias Santos Thayane

Texto completo:

HTML

Resumen

Introdução: ao se identificar os tipos mais frequentes de lesões que acometem os clientes internados, o enfermeiro deve planejar, organizar, implementar e avaliar as ações de cuidado a portadores de lesões ulcerativas, cirúrgicas e/ou traumáticas procurando minimizar o tempo de internação, diminuir os custos das internações prolongadas em decorrência de complicações e iatrogenias.
Objetivo: caracterizar o perfil de clientes hospitalizados com lesões cutâneas.
Métodos: estudo quantitativo e exploratório realizado nas enfermarias de clínica médica de um Hospital Universitário no Estado do Rio de Janeiro com 50 clientes que apresentavam alguma lesão cutânea no período de abril a julho de 2014. Foram utilizados dois instrumentos para coleta de dados: análise documental em prontuário e entrevista estruturada. Os dados foram submetidos à análise estatística simples.
Resultados: maioria do sexo feminino (58 %), média de idade de 58,33 ± 16,83 anos. A lesão cutânea mais prevalente foi a úlcera por pressão (20,3 %) e quanto ao local, as lesões estavam localizadas nos membros inferiores (25,4 %).
Conclusão: o cuidado das lesões torna-se um aspecto importante na sistematização da assistência de enfermagem, pois o enfermeiro não deve contemplar somente a realização dos curativos, mas avaliar os fatores etiológicos e de risco relacionados à lesão cutânea. 

Palabras clave

enfermería; atención de enfermería; heridas y traumatismos; hospitalización.

Referencias

Potter PA, Perry AG. Fundamentos de Enfermagem. 8ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2013.

Dealey C. Cuidando de feridas: um guia para as enfermeiras. 3ª ed. São Paulo: Atheneu Editora; 2008.

Borges EL, Saar SRC, Lima VLAN, Gomes FSLG, Magalhães MBB. Feridas: como tratar. Belo Horizonte: Coopmed; 2008.

Cunha NA. Sistematização da assistência de enfermagem no tratamento de feridas crônicas. Fundação de Ensino Superior de Olinda- FUNESO. Olinda; 2006.

Bellaguarda MLR, Padilha MI, Neto AFP, Pires D, Peres MAA. Reflexão sobre a legitimidade da autonomia da enfermagem no campo das profissões de saúde à luz das ideias de Eliot Freidson. Esc. Anna Nery 2013;17(2):369-74.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília; 2012.

Sales MCM, Borges EL, Donoso MTV. Risco e prevalência de úlceras por pressão em uma unidade de internação de um hospital universitário de Belo Horizonte. Rev Min Enferm 2010;14(1):566-75.

Oliveira BGRB, Nogueira GA, Carvalho MR, Abreu AM. Caracterização dos pacientes com úlcera venosa acompanhados no Ambulatório de Reparo de Feridas. Rev Eletr Enf [Internet] 2012;14(1):156-63 [acesso em 20 nov 2014]. Disponível: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/10322

Barreto APCP, Araújo BC, Vieira JCM. Perfil sociodemográfico e clínico de pacientes com úlceras por pressão. Rev Enferm UFPE on line 2011;5(9):2152-60.

Maffei FHA. Insuficiência venosa crônica: conceito, prevalência, etiopatogênia e fisiopatologia. Doenças vasculares periféricas. Rio de janeiro: Guanabara Koogan; 2008.

Coelho MF, Goulart BF, Chaves LDP. Clinical emergencies: profile of hospital assistance. Rev Rene 2013;14(1):50-9.

Campos SF, Chagas ACP, Costa ABP, França REM, Jansen AK. Fatores associados ao desenvolvimento de úlceras de pressão: o impacto da nutrição. Rev Nutr 2010; 23(5):703

Silva DP, Barbosa MH, Araújo DF, Oliveira LP, MELO AF. Úlcera por pressão: avaliação de fatores de risco em pacientes internados em um hospital universitário. Rev Eletr Enf [Internet] 2011;13(1):118-23 [acesso em 20 nov 2014]. Disponível: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v13/n1/pdf/v13n1a13.pdf

Cremasco MF, Wenzel F, Sardinha FM, Zanei SSV, Whitaker IY. Pressure Ulcer: Patient Risk, Patient Acuity, and Nursing Workload. Acta Paul Enferm 2009;22(n.especial):897-902.

Gomes T, Cade NV, Rohr RV, Fejoli MM. Caracterização das lesões crônicas e os fatores associados em moradores de um território de saúde em Vitória, Espírito Santo. Rev Bras Pesq Saúde 2011;13(1):52-7.

Santos CT, Oliveira MC, Pereira AGS, Suzuki LM, Lucena AF. Indicador de qualidade assistencial úlcera por pressão: análise de prontuário e de notificação de incidente. Rev Gaúcha Enferm [Internet] 2013;34(1):111-18 [acesso em 10 dez 2014]. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-14472013000100014&script=sci_arttext

Luz SR, Lopacinski AC, Fraga R, Urban CA. Úlceras de pressão. Geriatria e Gerontologia 2010;4(1):36-43.

Silva RCL, Figueiredo NMA, Meireles IB, Costa MM, Silva CRL. Feridas: fundamentos e atualizações em enfermagem. 3ªed. São Caetano do Sul, SP: Yendis Editora; 2011.

Ferreira AM, Souza BMV, Rigotti MA, Loureiro MRD. Utilização dos ácidos graxos no tratamento de feridas: uma revisão integrativa da literatura nacional. Rev Esc Enferm USP 2012; 46(3):752-60.

Maciel EAF, Carvalho DV, Borges EL, Silqueira MS, Guimarães GL. Prevalência de feridas em pacientes internados em hospital de grande porte. Rev Enferm UFPI 2014; 3(3):66-72.

Scarletti KC, Michel JLM, Gamba MA, Gutiérrez MGR. Pressure ulcer in surgery patients: incidence and associated factors. Rev Esc Enferm USP 2011; 45(6):1372-9.

Martin IS et al. Root causes for the development of foot ulcers of people with diabetes mellitus. Acta paul. Enferm 2012;25(2):218-24.

Lima ACB, Guerra DM. Evaluation of the cost of treating pressure ulcers in hospitalized patients using.Ciência & Saúde Coletiva 2011;16(1):267-77.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2015 Revista Cubana de Enfermería

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.