Fatores de risco cardiovascular, doenças isquêmicas do coração e masculinidade

Fernanda Carneiro Mussi, Jules Ramon Brito Teixeira

Texto completo:

HTML

Resumen

Introdução: estereótipos de gênero traduzem concepções e ações masculinas sobre adoecimento e autocuidado, implicando em indicadores de saúde. Objetivos: estimar a prevalência de fatores de risco cardiovascular e doenças isquêmicas do coração em homens; discutir a relação entre masculinidade e a exposição a fatores de risco cardiovascular e a essas doenças. Métodos: estudo epidemiológico, descritivo, retrospectivo, realizado por meio de dados secundários, oriundos do Vigitel e DATASUS, para homens adultos, no Brasil, no período de 2010-2014. Resultados: os homens, comparados às mulheres, apresentaram maior prevalência para tabagismo (22,5%), sobrepeso (56,5%), consumo abusivo de bebidas alcoólicas (23,4%), inatividade física (16,2%) e maior tempo de televisão (25,8%). Foram vítimas de maior mortalidade por Angina Pectoris (51,4%), Infarto Agudo do Miocárdio (58,9%) e Doença Isquêmica Crônica do Coração (55,8%), com tendência crescente, nos últimos cinco anos. Comportamentos masculinos expressam resistência ao cuidado à saúde e estão associados a fatores socioculturais e institucionais que, em conjunto ou individualmente, potencializam a exposição às situações de risco e a dificuldade de reconhecerem suas necessidades e procurarem os serviços de saúde. Conclusão: homens estão mais expostos a fatores de risco e a mortalidade por doença cardiovascular e as construções sociais de gênero são determinantes do processo saúde/doença.

Palabras clave

homens; fatores de risco; doenças cardiovasculares; gênero; masculinidade.

Referencias

Lochner KA, Cox CS. Prevalence of Multiple Chronic Conditions Among Medicare Beneficiaries, United States, 2010. Prev Chronic Dis. [on line] 2013 [citado 01 Ago 2016];10:120137. Disponível em: http://www.cdc.gov/pcd/issues/2013/12_0137.htm

Stevens A, Schmidt MI, Duncan BB. Gender inequalities in non communicable disease mortality in Brazil. Ciênc Saúde Coletiva. [on line] 2012 [citado 01 Ago 2016];17(10):2627-2634. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n10/12.pdf

DUNCAN BB et al. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4. ed. Porto Alegre: Artmed; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Sociedades Brasileiras de Cardiologia, Hipertensão, Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95(1 supl.1):1-51.

Komaroff AL (ed.). A guide to men’s health: fifty and forward. Norwalk: Harvard University; 2013. [citado 10 Ago 2016]. Disponível em: https://annmacdonalddotnet.files.wordpress.com/2011/07/mens-health-50-and-forward.pdf

Laurenti R, Mello Jorge MHP, Gotlieb SLD. Perfil epidemiológico da morbimortalidade masculina. Ciênc Saúde Coletiva. [on line] 2005 [citado 01 Ago 2016];10(1):35-46. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n1/a04v10n1.pdf

Schraiber LB, Gomes R, Couto MT. Homens e saúde na pauta da Saúde Coletiva. Ciênc Saúde Coletiva. [on line] 2005 [citado 22 Ago 2016];10(1):7-17. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n1/a02v10n1.pdf

Van Eyken EBBD, Moraes CL. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares entre homens de uma população urbana do Sudeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2009;25(1):111-123.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2014: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Organização Mundial de Saúde. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde – CID-10. 10. rev. São Paulo: EDUSP, 2008.

Macedo MMK, Silva FCF, Giaretta DG, Ribas RF, Druck CM. Atenção integral à saúde masculina: a busca por atendimento psicológico em uma clínica-escola. Psicol Teor Prat. 2010;12(1):154-170.

Allen AM, Scheuermann TS, Nollen N, Hatsukami D, Ahluwalia JS. Gender differences in smoking behavior and dependence motives among daily and nondaily smokers. Nicotine Tob Res. [on line] 2016 [citado 10 Ago 2016];18(6):1408-1413. Disponível em: http://ntr.oxfordjournals.org/content/18/6/1408.short

Roulette CJ, Hagen E, Hewlett BS. A biocultural investigation of gender differences in tobacco use in an egalitarian hunter-gatherer population. Hum Nat. 2016;27(2):105-129.

Kimura Y, Nanri A, Matsushita Y, Sasaki S, Mizoue T. Eating behavior in relation to prevalence of overweight among Japanese men. Asia Pac J Clin Nutr. 2011;20(1):29-34.

Serafim JL, Ribeiro JÁ, Rosa SSRF, Rosa MFF. Associação entre a velocidade de alimentação e sobrepeso/obesidade: uma revisão integrativa. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. [on line] 2016 [citado 15 Ago 2016];10(58):199-204. Disponível em: http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/444/391

Zhu Y, Hollis JH. Increasing the number of chews before swallowing reduces meal size in normal-weight, overweight, and obese adults. J Acad Nutr Diet. 2014;114(6):926-931.

Alves RFS, Faerstein E. Desigualdade educacional na ocorrência de obesidade abdominal por gênero e cor/raça: estudo Pró-Saúde, 1999-2001 e 2011-2012. Cad Saúde Pública. [on line] 2016 [citado 17 Ago 2016];32(2):1-7. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v32n2/0102-311X-csp-32-2-0102-311X00077415.pdf

Kanter R, Caballero B. Global gender disparities in obesity: a review. Adv Nutr. 2012;3(4):491–498.

Avila JC, Luz VG, Assumpção D, Fisberg RM, Barros MBA. Meat intake among adults: a population-based study in the city of Campinas, Brazil. A cross-sectional study. Sao Paulo Med J. 2016;134(2):138-145.

Campos VC, Bastos JL, Gauche H, Boing AF, Assis MAA. Fatores associados ao consumo adequado de frutas, legumes e verduras em adultos de Florianópolis. Rev Bras Epidemiol. [on line] 2010 [citado 15 Ago 2016];13(2):352-362. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v13n2/16.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. 1. reimpr. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Guimarães AC. Tratamento não medicamentoso: princípios gerais. In: Brandão AA, Amadeo C, Nobre F. (eds.) Hipertensão. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2012.

Moinuddin A, Goel A, Saini S, Bajpai A, Misra R. Alcohol consumption and gender: a critical review. J Psychol Psychother. [on line] 2016 [citado 15 Ago 2016];6(3):1-4. Disponível em: http://www.omicsonline.org/open-access/alcohol-consumption-and-gender-a-critical-review-2161-0487-1000267.pdf

Malta DC, Andrade SSA, Santos MAS, Rodrigues GBA, Mielke GI. Tendências dos indicadores de atividade física em adultos: conjunto de capitais do Brasil 2006-2013. Rev Bras Ativ Fís Saúde. [on line] 2015 [citado 15 Ago 2016];(20(2):141-151. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/RBAFS/article/view/5059/4311

Gomes R, Granja EMS, Honorato EJS, Riscado JLS. Corpos masculinos no campo da saúde: ancoragens na literatura. Ciênc Saúde Coletiva. [on line] 2014 [citado 15 Ago 2016];19(1):165-172. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v19n1/1413-8123-csc-19-01-00165.pdf

Fuchs FD. Hormonal replacement and cardiovascular disease: a guideline against the evidence. Arq Bras Cardiol. [on line] 2009 [citado 18 Ago 2016];93(1):e11-e13. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/v93n1/en_16.pdf

Ounpuu S, Negassa A, Yusuf S. INTER-HEART: A global study of risk factors for acute myocardial infarction. Am Heart J. 2001;141(5):711-21.

Siqueira BPJ, Teixeira JRB, Valença Neto PF, Boery EN, Boery RNSO, Vilela ABA. Men and health care in the social representations of health professionals. Esc Anna Nery. 2014;18(4):690-696.

Gomes R, Nascimento EF, Araujo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad Saúde Pública. 2007;23(3):565-574.

Gomes R, Rebello LEFS, Nascimento EF, Deslandes SF, Moreira MCN. A atenção básica à saúde do homem sob a ótica do usuário: um estudo qualitativo em três serviços do Rio de Janeiro. Ciênc Saúde Coletiva. [on line] 2011 [citado 22 Ago 2016];16(11):4513-4521. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n11/a24v16n11.pdf

Figueiredo W. Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Ciênc Saúde Coletiva. [on line] 2005 [citado 22 Ago 2016];10(1):105-109. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n1/a11v10n1

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2018 Revista Cubana de Enfermería

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.