Episódios de cuidado a mulheres com transtornos mentais na Atenção Básica

Michele Cecília Silva Torrézio, Nadja Cristiane Lappann Botti

Texto completo:

HTML

Resumen

Introdução: a reforma psiquiátrica reafirma a importância da articulação entre atenção básica e atenção especializada a fim de garantir melhoria do cuidado. O cuidado integral em saúde mental pressupõe atenção integral à saúde capaz de promover melhoria da qualidade de vida.

Objetivo: conhecer os episódios de cuidado a mulheres com transtornos mentais atendidas em uma Estratégia da Saúde da Família no município de Minas Gerais (Brasil).

Métodos: pesquisa de natureza qualitativa, do tipo documental. A coleta de dados ocorreu por meio da análise documental dos prontuários. O referencial teórico utilizado para análise e discussão foi a Classificação Internacional da Atenção Primária sob a ótica do cuidado compartilhado.

Resultados: verificou-se que a ansiedade generalizada foi atribuída a mais da metade das mulheres; em relação às queixas/sinais e sintomas psicológicos, a sensação de ansiedade/nervosismo/tensão foi o mais encontrado; a morbidade clínica mais comum foi a Hipertensão Arterial Sistêmica; as ações voltadas à saúde da mulher foram escassas.

Conclusões: há necessidade da implantação do apoio matricial na rede de atenção a fim de garantir uma assistência holística e de melhor qualidade às mulheres com transtorno mental.

Palavras chave: saúde mental; cuidado em saúde; saúde da família; classificação internacional da atenção primária.

Palabras clave

Saúde Mental; Cuidado em Saúde; Saúde da Família; Classificação Internacional da Atenção Primária

Referencias

Arce VAR. Sousa MF. Lima MG. A práxis da Saúde Mental no âmbito da Estratégia Saúde da Família: contribuições para a construção de um cuidado integrado. Physis [online]. 2011, vol.21, n.2, pp. 541-560.

Botti ML. Leide GB. Prado MF. Waidman MAP. Marcon SS. Convivência e percepção do cuidador familiar ao portador de HIV/Aids. Rev Enferm UERJ. 2009;17(3):400-5.

Brandao Junior PM. Besset VL. Psicanálise e saúde mental: contextualizando o atendimento às demandas. Psicol. USP [online]. 2012, vol.23, n.3, pp. 523-538.

Brasil. Portaria Nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. A Rede de Atenção psicossocial no Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em:http://www.ccs.saude.gov.br/memoria%20da%20loucura/mostra/ raps.html.

Coelho BP. Silva APM. Souza LPS. Silva KMA. Silva EP. Pinto IS. et al. Saúde mental no trabalho do Enfermeiro da Atenção Primária de um município no Brasil. Revista Cubana de Enfermería, v. 31, n. 1, 2015.

Delfini PSS. Sato MT. Antoneli PP. Guimarães POS. Parceria entre CAPS e PSF: o desafio da construção de um novo saber. Ciênc Saúde Coletiva; 2009;14 Supl 1:1483-92.

Drumond GP. Práticas em Psicologia e Políticas Públicas. Centro de Referência Técnica em Políticas Públicas (CREPOP). Conselho Federal de Psicologia (CFP). Brasília, 2009.

Estevam MC; Marcon SS; Antonio MM. Maunari DB. Waidman MAP. Convivendo com transtorno mental: perspectiva de familiares sobre Atenção Básica. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2011, vol.45, n.3, pp. 679-686.

Fonseca FCA. Coelho RZ. Nicolato R. Malloy-Diniz LF. Filho HCS. A influência de fatores emocionais sobre a hipertensão arterial. J Bras Psiquiatr. 2009;58(2):128-134.

Gil AC. Como elaborar projeto de pesquisa.4.Ed. Editora. Atlas. São Paulo. 2007.

Gonçalves M. Hipertensão Arterial e Transtornos Psiquiátricos. Psychiatry on line Brasil. Part of the jornal of Psychiatry. Junho de 2010 - Vol.15 - Nº 6.

Guedes TG. Moura ERF. Almeida PC. Particularidades do planejamento familiar de mulheres portadoras de transtorno mental. Rev Latino Am Enferm. 2009;17(5):639-44.

Hirdes A. Silva MKR. Apoio matricial: um caminho para a integração saúde mental e atenção primária. Saúde debate [online]. 2014, vol.38, n.102, pp. 582-592.

Kelly BJ. Perkins DA. Feuller JD. Parker SM. Shared care in mental illness: a rapid review to inform implementation. International Journal of Mental Health Systems, New York, v. 5, p. 31, 2011.

Landsberg GAP. Savassi LCM. Sousa AB. Freitas JMR. Nascimento JLS. Azagra R. Análise de demanda em Medicina de Família no Brasil utilizando a Classificação Internacional de Atenção Primária. Ciência & Saúde Coletiva, 17(11):3025-3036, 2012.

Lima AIO. Severo AK. Andrade NL. Soares GP. Silva LM. O desafio da construção do cuidado integral em saúde mental no âmbito da atenção primária. Temas psicol. [online]. 2013, vol.21, n.1, pp. 71-82.

Matuda CG. Pinto NRS. Martins CL. Frazão P. Colaboração interprofissional na Estratégia Saúde da Família: implicações para a produção do cuidado e a gestão do trabalho.Ciênc. saúde coletiva [online]. 2015, vol.20, n.8, pp. 2511-2521. ISSN 1413-8123.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.

Minozzo F. Costa II. Apoio matricial em saúde mental: fortalecendo a saúde da família na clínica da crise. Rev. latinoam. psicopatol. fundam. [online]. 2013, vol.16, n.3, pp. 438-450.

Moura ERF. Guedes TG. Freire SA. Bessa AT. Braga VA. Silva RM. Planejamento familiar de mulheres com transtorno mental: o que profissionais do CAPS têm a dizer. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2012, vol.46, n.4, pp. 935-943.

Okkes IM. Oskam SK. Lamberts H. The probability of specific diagnoses for patients presenting with common symptoms to Dutch family physicians. J Fam Pract 2002; 51(1):31-36.

Peres GM; Lopes MP. Articulação entre o Centro de Atenção Psicossocial e a Atenção Básica no cuidado da pessoa com transtorno mental. Sau. & Transf. Soc., Florianópolis, v.1, n.3, p.146-158, 2011.

Sampaio MMA. Coeli CM. Almeida MTCGN. Moreno AB. Junior KRC. Revisão sistemática do desenvolvimento e dos usos da Classificação Internacional de Atenção Primária. Cad. Saúde Colet., 2012, Rio de Janeiro, 20 (1): 3-14.

Teixeira MLO. Ferreira MA. Cuidado compartilhado: uma perspectiva de cuidar do idoso fundamentada na educação em saúde. Texto contexto - enferm. [online]. 2009, vol.18, n.4, pp. 750-758.

Tomazzonni TZ. Escitalopram no tratamento do transtorno de ansiedade generalizada (TAG). RBM. Nov 13. Vol 70 Neuropsiquiatria 5. Págs.: 29-31.

Wendt NC. Crepaldi MAA. Utilização do Genograma como instrumento de coleta de dados na pesquisa qualitativa. Psicol. Reflex. Crit. [online]. 2008, vol.21, n.2, pp. 302-310.

Wittchen HU. Jacobi F. Rehn J. Gustavsson A. Sevensson M. Jonsson B. et al. The size and burden of mental disorders and other disorders of brain in Europe 2010. European Neuropsychopharmacology: The Journal of the European College of Neuropsychopharmacology. 2011, 21(9): 655-7.

World Organization of National Colleges Academies and Academic Associations of General Practitioners/Family Physicians. Classificação Internacional de Atenção Primária (CIAP 2) - Comitê Internacional de Classificação da WONCA. Florianópolis: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade; 2009.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2017 Revista Cubana de Enfermería

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.