Hipodermóclise: ferramenta terapêutica para o cuidado de enfermagem e saúde

ARTCULO DE REVISIN

 

Hipodermclise: ferramenta teraputica para o cuidado de enfermagem e sade

 

Hipodermoclisis: una herramienta teraputica para el cuidado de enfermera y la salud

 

Hypodermoclysis: a therapeutic tool for nursing care and health

 

 

Willian de Andrade Pereira de Brito, Carla Lube de Pinho Chibante, Ftima Helena do Esprito Santo

Universidade Federal Fluminense (UFF). Rio de Janeiro, Brasil.

 

 


RESUMO

Introduo: a hipodermclise uma alternativa tecnolgica utilizada na administrao de fluidos dentro do espao subcutneo. Essa tcnica se apresenta como uma estratgia teraputica que contribui, no somente, para a administrao de medicamentos e fluidos, como no auxilio ao estimulo da autonomia e autocuidado do indivduo.
Objetivo: identificar como a hipodermclise vem sendo abordada na literatura.
Mtodos: trata-se de uma reviso integrativa, onde foi realizado um levantamento sobre artigos publicados nos bancos de dados da MEDLINE; BDENF; CUMED e LILACS, entre os anos de 2005-2015. Sendo utilizados para a busca os seguintes descritores: hipodermclise; enfermagem; sade.
Concluses: foram selecionados 11 artigos que deram origem a trs categorias temticas: 1) Terapia subcutnea, uma via alternativa para o cuidado em sade; 2)Hipodermclise: tcnica, utilizao e aplicabilidade; 3) Hipodermclise: tecnologias em sade e a equipe de enfermagem. Apesar da necessidade de novos estudos sobre a temtica, a tcnica de hipodermclise representa uma alternativa teraputica a assistncia do cuidado de enfermagem e em sade. Com comprovada eficcia clnica e a possibilidade da sua utilizao tanto no ambiente hospitalar, como em domiclio, ressaltam-se questes referentes ao conforto, tolerncia e comodidade do paciente.

Palavras chave: hipodermclise; tecnologia; enfermagem; teraputica.


RESUMEN

Introduccin: hipodermoclisis es una tecnologa alternativa utilizada en la administracin de lquidos en el espacio subcutneo. Esta tcnica se presenta como una estrategia teraputica que contribuye no solo a la administracin de frmacos y fluidos, sino tambin en la ayuda a estimular la autonoma y auto-cuidado individual.
Objetivo: identificar cmo se ha abordado la hipodermoclisis en la literatura.
Mtodos: revisin integradora, se realiz una encuesta de artculos publicados en las bases de datos de MEDLINE; BDENF; CUMED y LILACS, entre los aos 2005-2015. Se utiliza para buscar en los siguientes descriptores: hipodermoclisis; enfermera; salud.
Conclusiones: se seleccionaron 11 artculos que dieron origen a tres categoras temticas: 1) La terapia subcutnea, una ruta alternativa para el cuidado de la salud ; 2) Hipodermoclisis: tcnica, el uso y aplicabilidad; 3) Hipodermoclisis: tecnologas en el personal de salud y de enfermera . A pesar de la necesidad de realizar ms estudios sobre el tema, la tcnica hipodermoclisis es una alternativa teraputica a la asistencia para el cuidado de enfermera y la salud. Con eficacia clnica demostrada y la posibilidad de su uso tanto en el mbito hospitalario como en casa, que hace hincapi en las cuestiones relacionadas con la comodidad, la tolerancia y la conveniencia del paciente.

Palabras clave: hipodermoclisis; tecnologa; enfermera; teraputica.


ABSTRACT

Introduction: hypodermoclysis is an alternative technology used in fluid administration in the subcutaneous space. This technique is presented as a therapeutic strategy that contributes not only to the administration of drugs and fluids, as in aid to stimulate the autonomy and individual self-care.
Objective: To identify how hypodermoclysis has been addressed in the literature.
Methods: This is an integrative review, which was conducted a survey of articles published in the databases of MEDLINE; BDENF; CUMED and LILACS, between the years 2005-2015. It is used to search the following descriptors: hypodermoclysis; nursing; cheers.
Conclusions: We selected 11 articles that gave rise to three thematic categories: 1)Subcutaneous therapy, an alternative route for health care; 2)Hypodermoclysis: technique, use and applicability; 3) Hypodermoclysis: technologies in health and nursing staff. Despite the need for further studies on the subject, the hypodermoclysis technique is a therapeutic alternative to nursing care assistance and health. With proven clinical efficacy and the possibility of its use both in the hospital environment, such as at home, they emphasize issues related to comfort, tolerance and patient convenience.

Keywords: Hypodermoclysis; technology; nursing; therapeutics.


 

 

INTRODUO

A hipodermclise, tambm conhecida como terapia subcutnea, uma alternativa tecnolgica na rea da sade que permite a administrao de fluidos no espao subcutneo de forma contnua ou intermitente. Entretanto, ainda se caracteriza por ser uma tcnica pouco discutida e utilizada na prtica clnica.1

Essa terapia pode ser facilmente executada e utilizada tanto em cenrio hospitalar quanto no cuidado a nvel domiciliar, pelo prprio paciente ou familiar. Sendo assim, a hipodermclise favorece a alta hospitalar precoce, a continuidade do esquema medicamentoso de infuso em domiclio, promovendo o conforto e bem-estar do cliente, alm de possuir um baixo ndice de complicaes associadas sua utilizao, quando comparada a outras vias de administrao.2

Contudo, se observa uma carncia na divulgao e utilizao segura da hipodermclise, sendo necessrio a realizao de pesquisas em larga escala para consolidar o seu uso.3

Neste sentido, as caractersticas da terapia subcutnea trazem consigo uma estratgia teraputica para o processo do cuidado, que alm de contribuir para a administrao de medicamentos, estimula o autocuidado e a autonomia do indivduo. Portanto, deve-se ampliar o seu entendimento e incentivar a realizao de novos estudos sobre a temtica, de modo a consubstanciar o conhecimento e favorecer a utilizao da hipodermclise corretamente, nos diferentes ambientes teraputicos.

O estudo teve como objetivo: identificar como a hipodermclise vem sendo abordada na literatura.

 

MTODOS

Trata-se de uma pesquisa bibliogrfica, do tipo reviso integrativa, pois esse mtodo permite a busca, avaliao crtica e sntese das evidncias disponveis sobre o tema investigado, comumente utilizado na prtica baseada em evidncias, permitindo identificar as melhores e mais recentes evidncias cientficas e incorpor-las a prtica clnica para resoluo de problemas.4

O estudo seguiu os seguintes passos de uma reviso integrativa: Primeira etapa: identificao do tema e seleo da hiptese ou questo de pesquisa para a elaborao da reviso integrativa; Segunda etapa: estabelecimento de critrios para incluso e excluso de estudos/ amostragem ou busca na literatura; Terceira etapa: definio das informaes a serem extradas dos estudos selecionados/ categorizao dos estudos; Quarta etapa: avaliao dos estudos includos na reviso integrativa; Quinta etapa: interpretao dos resultados e Sexta etapa: apresentao da reviso/sntese do conhecimento.4

Para nortear o estudo, foi elaborada a seguinte questo de pesquisa: Como a hipodermclise vem sendo abordada na literatura?

A busca na literatura foi realizada nas bases de dados: Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE); Base de Dados da Enfermagem (BDENF); Cuba Biblioteca Virtual en Salud (CUMED); e Literatura Latino-Americana e do Caribe em Cincias da Sade (LILACS), por meio da Biblioteca Virtual de Sade (BVS), utilizando os descritores: hipodermclise; enfermagem; sade.

O perodo de coleta de dados ocorreu de 20 de junho a 20 de agosto de 2015, sendo definidos como critrios de incluso: artigos indexados nas bases de dados; nos idiomas: ingls, espanhol, portugus; tendo como ano de publicao o perodo: 2005-2015. Sendo excludas: produes cientficas realizadas exclusivamente em animais; estudos que no possuam texto completo disponvel gratuitamente; repetidos nas bases de dados e que no apresentavam relao com a temtica.

Aps a seleo dos artigos, os mesmos foram analisados de forma crtica, expondo os resultados encontrados. Posteriormente, discutidos de modo a comparar os principais achados com os demais estudos da literatura. E por fim, a anlise e interpretao dos dados deu origem s trs categorias temticas, com o intuito de facilitar a exposio e discusso dos dados da pesquisa, dentre as quais: Terapia subcutnea, uma via alternativa para o cuidado em sade; Hipodermclise: tcnica, utilizao e aplicabilidade; Hipodermclise: tecnologias em sade e a equipe de enfermagem.

 

DESARROLLO

Primeiramente, foi realizada a busca com o descritor hipodermclise de forma individualizada, obtendo-se 53 artigos. Em seguida, ao associar os descritores: hipodermclise e enfermagem, foram encontrados 7 estudos. Posteriormente, foram associados os descritores: hipodermclise e sade, totalizando 4 artigos. Ao finalizar esse processo de busca, foram associados os trs descritores: hipodermclise; enfermagem; sade; em que foram obtidos 2 estudos.

Ao realizar o somatrio de todos os artigos que atenderam aos critrios de incluso pr-estabelecidos, totalizou-se 66 artigos, que foram seguidamente submetidos leitura e anlise de seus ttulos e resumos. Neste contexto, com a aplicabilidade dos critrios de excluso: 13 (20 %) estudos foram excludos por no estarem relacionados temtica; 14 (21 %) artigos foram excludos por se repetirem nas bases de dados e 28 (42 %) estudos excludos por no apresentarem disponibilidade do seu contedo na ntegra, gratuitamente. Totalizando um quantitativo de 51 (83 %) artigos excludos.

Deste modo, dos 11 (17 %) artigos selecionados para compor o estudo, 4 (35 %) foram produzidos no Brasil, 4 (35 %) nos EUA, 1 (10 %) na Alemanha, 1 (10 %) em Cuba e 1 (10 %) na Sua. No referente identificao desses estudos nas bases de dados, 7 (64 %) dos artigos encontram-se na MEDLINE, 2 (18 %) dos estudos na BDENF, 1 (9 %) desses artigos na CUMED e 1 (9 %) na LILACS.

Quanto ao ano de publicao, nenhum artigo foi encontrado no perodo de 2005-2009, 2 (18 %) publicados em 2010; 1 (10 %) no ano de 2011; 2 (18 %) artigos em 2012; 3 (26 %) estudos em 2013; 2 (18 %) em 2014 e 1 (10 %) artigo em 2015.

Em relao formao dos autores, 5 (46 %) artigos foram realizados por mdicos; 3 (26 %) estudos por enfermeiros; em 2 (18 %) no foi identificada a informao e 1 (10 %) foi realizado por um profissional farmacutico.

Conforme o tipo de estudo desenvolvido, 3 (26 %) reviso integrativa; 3 (26 %) estudos descritivos, prospectivos; 3 (26 %) estudos clnicos randomizados, 1 (11 %) estudo descritivo, exploratrio; 1 (11 %) estudo de coorte.

Aps a leitura minuciosa de cada estudo, observou-se que apesar das semelhanas em determinados aspectos de cada artigo, relacionadas importncia da hipodermclise, vantagens e desvantagens, entre outras questes, algumas variveis destacaram-se, originando seguimentos temticos entre os estudos.

Os artigos foram organizados, de modo a favorecer a exposio e discusso dos resultados, em 3 categorias: 1) Terapia subcutnea, uma via alternativa para o cuidado em sade, em que se concentraram 5 artigos que abordavam as caractersticas da via subcutnea no uso de medicamentos, alm de apresentarem a hipodermclise como uma alternativa teraputica, principalmente quando equiparada administrao por via intravenosa; 2) Hipodermclise: tcnica, utilizao e aplicabilidade, com 4 artigos que descreveram a tcnica e as especificidades relacionadas hipodermclise, assim como cuidados desenvolvidos antes e durante a realizao do procedimento; 3) Hipodermclise: tecnologias em sade e a equipe de enfermagem, com 2 artigos, correlacionando a importncia do conhecimento e manejo de tecnologias e inovaes na sade, como a hipodermclise, pelos profissionais de enfermagem e os fatores que podem estar relacionados com a no utilizao desta tcnica.

1) Terapia subcutnea, uma via alternativa para o cuidado em sade

A avaliao sobre a administrao de imunoglobulina da hepatite B (HBIg) subcutnea, como alternativa a via intravenosa, constatou uma efetividade semelhante entre as duas, verificando um alcance da dose profiltica eficaz contra a reinfeco pelo vrus da hepatite B. Alm disso, proporciona vantagens referentes s facilidades de autoadministrao pelo paciente, oferecendo convenincia ao mesmo e economia de custos para as instituies prestadoras de cuidados em sade.5

Um estudo demonstrou a eficcia teraputica comprovada do Interferon administrado por via subcutnea em pacientes com esclerose mltipla. J em uma anlise realizada sobre a utilizao do Aflibercept no tecido subcutneo, evidenciou-se o alcance das concentraes teraputicas, uma maior tolerncia em seu uso, alm de propiciar estabilidade progresso da doena.6,7

O uso do Ofatumumabe por via subcutnea em pacientes com artrite reumatoide alcanou os efeitos teraputicos desejados, semelhantes aos obtidos por via intravenosa, alm de uma melhor convenincia para os pacientes que utilizavam esse medicamento. Devido a possibilidade da administrao subcutnea de forma lenta e em doses mais baixas, sem alterao da sua eficcia. O uso favoreceu uma melhor tolerabilidade e menor necessidade de medicalizao prvia contra os efeitos colaterais relacionados sua administrao de forma rpida e concentrada.8

Um estudo comparativo identificou que tanto a hidratao intravenosa quanto a subcutnea facilitada, pelo uso da hialuronidase, tiveram semelhana positiva na sua efetividade em reverter o quadro de desidratao leve e moderada em crianas.9

Entretanto, o mesmo estudo apresentou diferenas pertinentes ao processo de administrao dos fluidos, onde 69 (94,5 %) indivduos que foram submetidos tcnica por via subcutnea, descreveram como sendo uma prtica de fcil execuo, enquanto o grupo exposto tcnica de administrao por via intravenosa, 49 (65,3 %) consideram a sua execuo fcil. Desse modo, a via subcutnea tambm teve destaque relacionado ao tempo e o xito na insero do dispositivo no stio de puno, em consequncia de sua realizao em um tempo menor e o sucesso, relativamente maior, quando comparado insero venosa.9

No que se refere opinio dos pais/ cuidadores das crianas, 69 (94,5 %) ficaram satisfeitos com a tcnica de hidratao subcutnea, enquanto que 55 (73,3 %) com o procedimento intravenoso.9

Essa categoria de "Terapia subcutnea, uma via alternativa para o cuidado em sade" demonstrou a busca por alternativas teraputicas na administrao de medicamentos e fluidos que favoream uma assistncia em sade de qualidade, considerando os diferentes aspectos que envolvem o indivduo a ser cuidado e a terapia escolhida. Podendo ser observado, que no somente a efetividade da medicao e sua forma de administrao so importantes nesse processo, mas questes relacionadas ao conforto, tolerabilidade e autonomia desses pacientes.

2) Hipodermclise: tcnica, utilizao e aplicabilidade

Em relao aos locais de escolha para a puno da hipodermclise, uma pesquisa identificou que 28 (93,34 %) dos procedimentos realizados tiveram como prioridade a regio infraclavicular e 2 (6,66 %) a regio abdominal. O estudo no relata se o local de escolha foi realizado pelo prprio paciente ou por um profissional de sade.1

Quanto ao dispositivo de insero, em todos os casos, foi utilizado o cateter agulhado, tendo uma predominncia dos dispositivos de calibre 21 Gauge (G) em 12 (40 %) indivduos e o de 25G utilizado em 11 (36,66 %) casos. No que se refere ao tempo de durao do dispositivo no stio de puno, foi estabelecido o prazo de 7 dias de permanncia, sendo retirado anteriormente caso o paciente apresentasse algum sinal ou sintoma de complicao relacionada ao cateter.1

Dos 30 procedimentos realizados, 14 (47 %) aplicaes foram executadas durante o atendimento ambulatorial,11 (37 %) no decorrer de assistncias domiciliares e 5 (16 %) em atendimento hospitalar. Cabe ressaltar, que os pacientes que receberam o atendimento em domiclio tiveram o auxlio de algum profissional de sade, familiar ou realizaram diretamente os cuidados com o cateter, demonstrando a facilidade de manuseio e versatilidade da utilizao da hipodermclise em diferentes ambientes do cuidado.1

Nesta perspectiva, alguns autores trouxeram a importncia da realizao de cuidados durante o processo de execuo da hipodermclise, como: a lavagem das mos, a utilizao de luvas de procedimento, alm da necessidade de antissepsia do local de puno, sendo esta realizada com movimentos circulares do centro para a periferia da regio de escolha.10

O estudo tambm destaca a importncia em realizar a prega subcutnea para que ocorra a insero no local correto, preconizando a utilizao de dispositivos agulhados de calibre 23G ou 25G em uma angulao de 45 no momento da insero. Quanto s regies utilizadas, destacam-se a peitoral e deltoidea, restringindo regies prximas s articulaes, proeminncias sseas, tecido mamrio e regies edemaciadas.10

A utilizao de acessos subcutneos distintos para hidratao e administrao de medicamentos concomitantes, se faz necessrio para evitar a manipulao desnecessria dos dispositivos, evitando assim possveis complicaes relacionadas via.10

Com isso, ao se abordar a velocidade de infuso dos fluidos e medicamentos no tecido subcutneo, preconiza-se uma velocidade mxima de 80 ml/h e uma mnima de 20 ml/h, devido ao risco de formao de cogulos em velocidades mais baixas. Quanto ao tempo de permanncia do dispositivo, este estudo realizou um rodzio do stio de puno entre 3 a 6 dias, podendo chegar a 10 dias de permanncia. Entretanto, um autor sugere que a troca do dispositivo deva ocorrer a cada 4 dias.10,11

Em se tratando do volume de infuso mximo por esta via, no se deve ultrapassar 3000 ml nas 24h, alm de atentar para o seu fracionamento entre dois stios, com 1500 ml cada, respeitando uma distncia mnima de 5 cm entre os dois pontos de infuso.11

No que diz respeito forma como os medicamentos so preparados para administrao no tecido subcutneo, importante destacar a diluio dos mesmos, que devem ser de 100 %, para cada 1ml de medicamento utiliza-se 1ml de diluente. Porm, o estudo tambm salienta a importncia em conhecer o perfil de diluio de cada medicamento, estabilidade e pH.11

Pensando na potencializao da tcnica, um estudo cita o uso da hialuronidase como adjuvante da hipodermclise, administrada antes ou concomitante a substncia a ser infundida. Essa enzima tem como caracterstica o favorecimento do aumento de permeabilidade do tecido atravs da hidrlise do cido hialurnico presente no subcutneo, diminuindo temporariamente a viscosidade do tecido e facilitando a capacidade de absoro dos medicamentos.12

Quando observado a relao da aplicabilidade da hipodermclise com sua indicao, prescrio e medicamentos que seriam administrados por meio da mesma, identificou-se que em sua maioria as prescries so baseadas na prtica clnica do prprio profissional ou de colegas de profisso, sendo minoria os profissionais que consultam a literatura previamente.11

H uma preocupao na busca de mecanismos que possam favorecer a utilizao da hipodermclise, alm de uma tentativa de estruturao e padronizao da maneira como essa tcnica deve ser realizada. A indicao de cuidados a serem desenvolvidos, a escolha do tipo e calibre dos dispositivos, a ateno com os volumes de infuso e o estudo de adjuvantes que potencializem a sua eficcia, so exemplos de fatores que esto sendo discutidos em busca de um consenso de aplicabilidade.

3) Hipodermclise: tecnologias em sade e a equipe de enfermagem

A administrao correta e segura de medicamentos, independente da sua forma e via, de responsabilidade da equipe de enfermagem. Para que os profissionais atuem adequadamente necessitam, entre outros conhecimentos, compreender o manejo de tecnologias e inovaes na sade. Entretanto, para que esse entendimento ocorra de forma eficaz imprescindvel realizao de uma educao continuada ativa.13

Nesse contexto, dos enfermeiros entrevistados em um estudo, sobre o conhecimento da hipodermclise, 5 (71 %) desconheciam a tcnica, enquanto que 2 (29 %) conheciam de forma superficial. Destes, um participante obteve informaes sobre a terapia subcutnea por meio da internet, ressaltando no conhecer seus benefcios e sua aplicabilidade, enquanto o outro participante teve contato com a tcnica durante um estgio na graduao de enfermagem.3

Destacou-se o fato de todos os participantes relatarem a no orientao pela instituio onde atuam, desconhecendo, assim, os cuidados de enfermagem atribudos a hipodermclise e com isso, a sua no utilizao nas unidades de internao da instituio. Fica evidente a predominncia do desconhecimento sobre essa terapia entre os enfermeiros da unidade estudada.3

Em um estudo foi identificado uma resistncia quanto utilizao da hipodermclise, principalmente pela equipe mdica e de enfermagem, podendo estar relacionada a fatores, como a falta de conhecimento associada disponibilidade escassa de informaes, contedos especficos e pesquisas cientficas sobre a temtica.13

O desconhecimento por parte dos profissionais tambm pode estar relacionado necessidade de uma maior discusso sobre a terapia subcutnea nos ambientes acadmicos e de sade. Esses dilogos e interaes favorecem o surgimento de propostas a serem institudas que podem promover a disseminao do conhecimento sobre o uso da hipodermclise, de modo a contribuir para uma assistncia de enfermagem mais qualificada.13

Sendo assim, a necessidade de interao entre as instituies de ensino com os ambientes de ateno em sade fica explcita nessa categoria. Alm disso, o conhecimento e manejo de tecnologias para a melhoria do cuidado devem ser trabalhados tanto de forma individualizada, na aquisio desse conhecimento pelo profissional, como institucionalmente para que essas tecnologias sejam discutidas em seu coletivo, de modo a serem padronizadas e implantadas na prtica clnica.

Por meio dos resultados encontrados, observou-se que a hipodermclise trata-se de uma alternativa teraputica tanto para a administrao de fluidos e medicamentos, como no cuidado em sade, devido a sua eficcia clnica, fcil manuseio, baixo custo, tolerabilidade e aceitao satisfatria, alm de ser uma tcnica que permite sua utilizao em diferentes ambientes do cuidado.

Neste contexto, alm dos benefcios j apontados, a terapia subcutnea ainda favoreceu o aumento da excreo renal promotora da eliminao de metablitos opiides; a hidratao da pele como complemento de preveno da formao de lceras por presso e ainda a preveno da obstipao, referindo alvio ou reverso desta sintomatologia em 30 a 70 % dos casos.14

Em considerao administrao de medicamentos e fluidos, a hipodermclise demonstrou ser uma alternativa, equivalentemente efetiva, via intravenosa.

Entretanto, vantagens foram observadas na via subcutnea, quando relacionadas diminuio de efeitos adversos, decorrentes da concentrao e velocidade de infuso dos medicamentos, resultando, consequentemente, em uma melhor aceitao, tolerabilidade e comodidade dos pacientes. Assim como, nos casos de tratamento de desidratao leve e moderada, onde a hipodermclise apresentou, alm dos resultados clnicos positivos, um grau de satisfao maior pela tcnica, quando comparada a via intravenosa.5-9

A vascularizao do tecido subcutneo abriga em torno de 6 % do dbito cardaco, permitindo uma taxa de absoro eficaz dos medicamentos administrados, atingindo assim, concentraes sricas menores, mas com tempo de ao prolongado e superior s vias intravenosa e intramuscular.15

Diretrizes traadas pelo Instituto Nacional do Cncer (INCA) descrevem como vantagem da hipodermclise, o risco mnimo de complicaes sistmicas e locais, prevalentes na via intravenosa, como a infeco e a trombose de vasos.16

Acerca dos stios de aplicabilidade, notou-se uma variedade de locais favorveis ao procedimento, ressaltando a preocupao em realizar a tcnica longe de articulaes, proeminncias sseas e tecidos predominantemente glndulares, como a mama feminina.10

Por outro lado, no houve a citao de diferentes regies que poderiam apresentar condies de puno. Partindo do princpio que se trata de uma terapia subcutnea, em que h uma vasta possibilidade de utilizao de regies corpreas para sua aplicao, apenas foram destacadas nos estudos, as regies: deltoidea, abdominal, infraclavicular e peitoral.10

Em complemento a essas regies, ainda se destacaram os seguintes locais de puno: regio escapular e face lateral da coxa. A utilizao dos braos e antebraos tambm foi descrita por um estudo, que traz a via subcutnea como uma segunda opo em cuidados paliativos, mas ressaltando que nos casos em que o paciente est recebendo tratamento radioterpico, a rea escolhida deve ser diferente da irradiada.2,16

Observou-se uma ateno relacionada efetividade, tolerncia e profilaxia de efeitos adversos na via subcutnea. Representados na abordagem do volume mximo a ser infundido, na sua distribuio entre os stios e na velocidade com que esses medicamentos e fluidos seriam administrados.11

O volume de infuso mximo destacado na reviso, foi de 3000 ml nas 24h, fracionado em dois stios com 1500 ml cada. Entretanto, existem diretrizes que preconizam um volume total de 2000 ml em 24h, este distribudo em 1000 ml por stio.11,16

A necessidade em se conhecer caractersticas especficas de cada medicamento, como pH e diluio para serem administrados na hipodermclise, so importantes para uma indicao e utilizao segura desta tcnica. A falta de estudos relacionados a essas questes dificultam a consulta da temtica na literatura, favorecendo a sua prescrio de acordo com experincias vivenciadas, e no por meio do embasamento de evidncias cientficas.11

Ainda sobre essa perspectiva, os medicamentos so mais bem tolerados, cujo pH estejam prximos neutralidade e que sejam hidrossolveis, solues com extremos de pH (< 2 ou > 11) apresentam risco aumentado de precipitao ou irritao local.16

A preocupao com cuidados relacionados ao desenvolvimento do procedimento, como: lavagem das mos; o tipo de soluo utilizada para antissepsia do local de insero; a tcnica correta para realizao da puno no tecido, entre outros cuidados, demonstram uma estruturao para utilizao da hipodermclise. Essa caracterstica um passo importante para o incio de uma padronizao e criao de futuros protocolos de aplicabilidade, que futuramente ao se tornarem institucionalizados podem facilitar o conhecimento da tcnica e ampliar sua utilizao na prtica clnica.

A falta de conhecimento sobre a hipodermclise entre os profissionais de sade, em particular os da enfermagem, alarmante. Principalmente pelo fato desta equipe ser a principal responsvel pelo manejo e planejamento de aes relacionadas administrao de medicamentos e fluidos.13

Com isso, os profissionais so incentivados a manterem atualizados os seus conhecimentos e competncias, caracterizando um processo de formao contnua, visando, assim, melhoria da prestao de cuidados em sade. Neste sentido, necessrio que esse processo ocorra de forma efetiva, permitindo a maior participao dos profissionais e a utilizao de conhecimentos e tecnologias que favoream essa formao.17

O processo de inovao complexo, no linear, incerto e requer interao entre os profissionais, instituies e gestores. Deste modo, pode se compreender a dificuldade no conhecimento e manejo da hipodermclise, no somente pelos profissionais de enfermagem, mas os da sade como um todo. A inovao tecnolgica, quando usada a favor da sade contribui, diretamente com a qualidade, eficcia, efetividade e segurana do cuidado. Com isso, o enfermeiro deve estar em constante processo de capacitao terico-prtica, aprendendo e pesquisando, conhecendo as novas tecnologias, identificando seus conceitos e as polticas que o permeiam.18

Tendo em mente, que a hipodermclise uma tecnologia na rea da sade capaz de trazer inmeros benefcios com a sua aplicabilidade, faz-se necessrio o estmulo e promoo do seu entendimento, de modo a favorecer a utilizao dessa tcnica na prtica clnica.

 

CONCLUSES

A presente reviso possibilitou o levantamento sobre as principais questes que envolvem a hipodermclise, tanto relacionados sua parte tcnica, como em fatores decorrentes de seus benefcios na prtica clnica.

A hipodermclise uma ferramenta importante para a enfermagem e o cuidado em sade, tanto no ambiente hospitalar, como em domiclio. Apesar da necessidade de novos estudos serem desenvolvidos, a terapia subcutnea atualmente discutida como uma estratgia vantajosa a ser inserida no sistema de sade. Esse fato ocorre devido aos fatores caractersticos da via, como baixo custo, praticidade na realizao e aceitao pelos pacientes, que referem maior tolerabilidade e comodidade, proporcionando maior autonomia a esses indivduos.

As vantagens observadas sobre a utilizao dessa tcnica so notrias e efetivas nos diferentes aspectos do cuidado. Quanto equipe de enfermagem, faz-se necessrio o aprofundamento no conhecimento e manejo de tecnologias em sade que contribuam, otimizem e qualifiquem o processo do cuidado.

Pensando na importncia e necessidade do desenvolvimento de competncias pelos profissionais de sade, o presente estudo buscou auxiliar a ampliao do conhecimento sobre a hipodermclise e suas especificidades, contribuindo para uma prtica teraputica de qualidade, alm de incentivar o desenvolvimento de novos estudos sobre a temtica.

 

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

1. Justino ET, Tuoto FS, Kalinke LP, Mantovani MF. Hipodermclise em pacientes oncolgicos sob cuidados paliativos. Cogitare Enferm. 2013 [acesso 3 Ago 2015];18(1):84-9. Disponvel em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/view/31307

2. Pontalti G, Rodrigues ESA, Firmino F, Fbris M, Stein MR, Longaray VK. Via subcutnea: segunda opo em cuidados paliativos. Rev HCPA. 2012 [acesso 3 Ago 2015];32(2): 199-207. Disponvel em: http://seer.ufrgs.br/hcpa/article/viewFile/26270/19181

3. Takaki CYI, Klein GFS. Hipodermclise: o conhecimento do enfermeiro em unidade de internao. ConScientiae Sade. 2010 [acesso 7 Jun 2015];9(3):486-96. Disponvel em: http://www.redalyc.org/pdf/929/92915180020.pdf

4. Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvo CM. Reviso integrativa: mtodo de pesquisa para a incorporao de evidncias na sade e na enfermagem. Texto Contexto Enferm 2008 [acesso 8 Ago 2015];17(4):758-64. Disponvel em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v17n4/18.pdf

5. Klein CG, Cicinnati V, Schmidt H, Ganten T, Scherer MN, Braun F, et al. Compliance and tolerability of subcutaneous hepatitis B immunoglobulin self-administration in liver transplant patients: A prospective, observational, multicenter study. Ann Transplant. 2013 [acesso 7 Jun 2015];18:677-84. Disponvel em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24335787

6. Freedman MS et al. Patient subgroup analyses of the treatment effect of subcutaneous interferon b-1a on development of multiple sclerosis in the randomized controlled Refelx study. J Neurol. 2014 [acesso 5 Jun 2015];261:490-99. Disponvel em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3948518/

7. Tew WP, Gordon M, Murren J, Dupont J, Pezzulli S, Aghajanian C, et al. Phase 1 Study of VEGF Trap (Aflibercept) Administered Subcutaneously to Patients with Advanced Solid Tumors. Clin Cancer Res. 2010 [acesso em 10 Jun 2015];16(1):358-66. Disponvel em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4211604/

8. Kurrasch R, Brown JC, Chu M, Craigen J, Overend P, Patel B, et al. Subcutaneously Administered Ofatumumab in Rheumatoid Arthritis: A Phase I/II Study of Safety, Tolerability, Pharmacokinetics, and Pharmacodynamics. J Rheumatol. 2013 [acesso 2 Jul 2015];40:1089-96. Disponvel em: http://www.jrheum.org/content/40/7/1089.full

9. Spandorfer PR, Mace SE, Okada PJ, Simon HK, Allen CH, Spiro DM, et al. A Randomized Clinical Trial of Recombinant Human Hyaluronidase - Facilitated Subcutaneous Versus Intravenous Rehydration in Mild to Moderately Dehydrated Children in the Emergency Department. Clin Ther. 2012 [acesso 5 Jun 2015];34:2232-45. Disponvel em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23062548

10. Perera AH, Smith CH, Perera AH. Hipodermoclisis en pacientes con cncer terminal. Revista Cubana de Medicina. 2011 [acesso 3 Jun 2015];50(2):150-6. Disponvel em: http://scielo.sld.cu/pdf/med/v50n2/med05211.pdf

11. Bruno VG. Hipodermclise: reviso de literatura para auxiliar a prtica clnica. Einstein. 2015 [acesso 3 Jun 2015];13(1):122-8. Disponvel em: http://www.scielo.br/pdf/eins/v13n1/pt_1679-4508-eins-1679-45082015RW2572.pdf

12. Bittner B et al. Development of a Subcutaneous Formulation for Trastuzumab- Nonclinical and Clinical Bridging Approach to the Approved Intravenous Dosing Regimen. Arzneimittelforschung. 2012[acesso 2 Jul 2015];62:401-9. Disponvel em: https://www.thieme-connect.com/products/ejournals/abstract/10.1055/s-0032-1321831

13. Zironde ES, Marzenini NL, Soler VM. Hipodermclise: redescoberta da via subcutnea no tratamento de indivduos vulnerveis. Cuidarte Enferm. 2014 [acesso 2 Jul 2015];8(1):55-61. Disponvel em: http://fundacaopadrealbino.org.br/facfipa/ner/pdf/cuidarte_enfermagem_v8_n1_jan_jun_2014.pdf

14. Lopes AP, Esteves R, Sapeta, P. Vantagens e desvantagens da teraputica e hidratao subcutnea. 2012. 48f [dissertao]. Instituto Politcnico de Castelo Branco. 2012 [acesso 25 Ago 2015]. Disponvel em: https://repositorio.ipcb.pt/handle/10400.11/1615

15. Azevedo EF. Administrao de antibiticos por via subcutnea: uma reviso integrativa da literatura. 2011. 153f [dissertao]. Escola de Enfermagem de Ribeiro Preto, Universidade de So Paulo, Ribeiro Preto; 2011 [acesso 25 Ago 2015]. Disponvel em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-19012012-104714/pt-br.php

16. Ministrio da Sade (BR). Instituto Nacional do Cncer. Terapia subcutnea no cncer avanado. Instituto Nacional do Cncer. Rio de Janeiro: INCA; 2009 [acesso 20 Ago 2015]. Disponvel em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/Terapia_subcutanea.pdf

17. Gaspar PJS, Costa RPP, Costa JEG, Fierro JMM, Rodrigues JO. Impacto da formao profissional contnua nos custos do tratamento das feridas crnicas. Rev Enferm Referncia. 2010 [acesso 5 Jun 2015];3(1):53-62. Disponvel em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/ref/vserIIIn1/serIIIn1a06.pdf

18. Salvador PTCO, Oliveira RKM, Costa TD, Santos VEP, Tourinho FSV. Tecnologia e inovao para o cuidado em enfermagem. Rev enferm UERJ. 2012 [acesso 3 Jun 2015];20(1):111-7. Disponvel em: http://www.facenf.uerj.br/v20n1/v20n1a19.pdf

 

 

Recibido:
Aprobado:

 

 

Willian de Andrade Pereira de Brito. Universidade Federal Fluminense (UFF). Rio de Janeiro, Brasil.

 

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2017 Revista Cubana de Enfermería

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.