Diagnóstico y tratamiento del cáncer infantil: implicaciones para la vida del cuidador

Dailon de Araújo Alves, Felice Teles Lira, Luanna Gomes da Silva, Giovana Mendes de Lacerda, Izabel Cristina Santiago Lemos, Marta Regina Kerntopf, Grayce Alencar Albuquerque

Texto completo:

HTML

Resumen

Introdução: Apesar dos grandes avanços na terapia oncológica, o câncer ainda é uma doença de diagnóstico estritamente interligado ao medo da morte que exerce grande impacto sobre a criança afetada e sua família, em razão dos estigmas e mitos presentes na sociedade. Em todos os casos, os cuidadores necessitam realizar mudanças drásticas nas suas vidas em função do tratamento da criança com câncer.

Objetivo: compreender as implicações para a vida do cuidador familiar frente ao diagnóstico e tratamento da criança com câncer.

Métodos: estudo descritivo e exploratório, com utilização de abordagem qualitativa, tendo como sujeitos da pesquisa, cuidadores familiares de crianças diagnosticadas com câncer.

Resultados: A partir da análise dos dados coletados emergiram 10 categorias temáticas que esboçaram as alterações ocorridas na vida do cuidador durante o período de diagnóstico e tratamento da criança com câncer.

Conclusões: Os cuidadores são submetidos a diversas alterações em suas rotinas cotidianas, indo desde a confirmação do diagnóstico, até a finalização do tratamento e podem afetar sobremaneira, a sua qualidade de vida, uma vez que o cuidado dispensado à criança precisa ser estabelecido de maneira integral.

Palavras chave: neoplasias; criança; cuidadores.

 

Palabras clave

Neoplasias; Niño; Cuidadores.

Referencias

Salci MA, Marcon SS. Após o câncer: uma nova maneira de viver a vida. Rev Rene. 2011;12(2):374-83.

Duarte MLC, Zanini LN, Nedel MNB. O cotidiano dos pais de crianças com câncer e hospitalizadas. Rev Gaúcha Enferm. 2012;33(3):111-118.

Firmino CDB, Sousa MNA de. Sentimentos e vivências de familiares em frente ao diagnóstico de câncer na criança. Rev. Bras. Pesq. Saúde. 2013;15(2): 6-12.

Klassmann J, Kochia KRA, Furukawa TS, Higarashi IH, Marcon SS. Experiência de Mães de Crianças com Leucemia: Sentimentos Acerca do Cuidado Domiciliar. Rev. Esc. Enferm. USP. 2008;42(2):321-30.

Medeiros EGMS de, Leite RFB, Ramos DKR, Almeida LAL. Repercussões do câncer infantil no cotidiano do familiar cuidador. Rev. Rene. 2014;15(2):233-9.

Santos LMP, Gonçalves LLC. Crianças com Câncer: Desvelando o Significado do Adoecimento Atribuído por suas Mães. Rev. Enferm. UERJ. 2008;16(2): 224-9.

Minayo MCS. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 11ª ed. São Paulo: Hucitec; 2008.

Ribeiro AF, Souza CA. O cuidador familiar de doentes com câncer. Arq. cienc. saude. [Internet]. 2010;17(1):22-6. Disponível em: http://www.cienciasdasaude.famerp.br/racs_ol/vol- 17-1/IDL3_jan-mar_2010.pdf . Acesso em: 15 de Dezembro de 2015.

Freitas AF. Brincar, Cuidar e se Recuperar: Impacto Emocional nos Anjos da Enfermagem Frente à Morte de Pacientes Pediátricos e Fatores Motivadores às Atividades Lúdicas [monografia]. Juazeiro do Norte: Faculdade de Juazeiro do Norte; 2011.

Rodrigues KE, Camargo B de. Diagnóstico precoce do câncer infantil: responsabilidade de todos. Rev. Assoc. Med. Bras. 2003; 49(1): 29-34.

Avanci BS, Carolindo FM, Góes FGB, Netto NPC. Cuidados Paliativos à Criança Oncológica na Situação do Viver/Morrer: a Ótica do Cuidar em Enfermagem. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2009; 13(4): 708-16.

Silva TCO, Barros VF, Hora EC. Experiência de ser um cuidador familiar no câncer infantil. Rev Rene. 2011;12(3):526-31.

Almeida MD, Santos APAL. Câncer Infantil: o Médico Diante de Notícias Difíceis – uma Contribuição da Psicanálise. Mudanças – Psicologia da Saúde. 2013;21(1):49-54.

Rodrigues AS, Jorge MSB, Morais APP. Eu e meu Filho Hospitalizado: Concepção das Mães. Rev. Rene. 2005;6(3):87-94.

Castro EHB. A Experiência do Câncer Infantil: Repercussões Familiares, Pessoais e Sociais. Rev. Mal-Estar Subj. 2010;10(3).

Dupas G, Silva AC, Nunes MDR, Ferreira NMLA. Childhood Cancer: the father’s experience. Rev. Min. Enferm.; 2012; 16(3): 348-354.

Ortiz MCA, Lima RAG. Experiências de Familiares de Crianças e Adolescentes, após o Término do Tratamento contra Câncer: Subsídios para o Cuidado de Enfermagem. Rev. Latino-am. Enfermagem. 2007;15(3).

Angelo M, Moreira PL, Rodrigues LMA. Incertezas diante do Câncer Infantil: Compreendendo as Necessidades da Mãe. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2010; 14(2): 301-308.

Gomes GC, Erdmann AL. O Cuidado Compartilhado entre a Família e a Enfermagem à Criança no Hospital: uma Perspectiva para a sua Humanização. Rev. Gaúcha Enferm. 2005; 26(1): 20-30.

Almico Thatianne, Faro André. Coping of caregivers of children with cancer in chemoterapy process. Psic., Saúde & Doenças. 2014; 15(3): 723-737.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2017 Dailon de Araújo Alves, Felice Teles Lira, Luanna Gomes da Silva, Giovana Mendes de Lacerda, Izabel Cristina Santiago Lemos, Marta Regina Kerntopf, Grayce Alencar Albuquerque

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.