Tecnologia a distância para educação permanente de enfermeiros

ARTCULO DE REVISIN

 

Tecnologia a distncia para educao permanente de enfermeiros

 

Tecnologa a distancia para la educacin continua de enfermeros

 

Distance technology for continuing nursing education

 

 

Delmo de Carvalho Alencar, Maria do Carmo Campos Pereira, Elaine Maria Leite Rangel Andrade

Universidade Federal do Piau (UFPI). Brasil.

 

 


RESUMO

Introduo: a efetividade da Educao permanente online pode ser justificada pela flexibilidade da aprendizagem adaptada conforme as necessidades dos enfermeiros e acessibilidade em qualquer tempo e espao. Essa forma de Educao permanente tem sido vista como vivel e adequada para as condies de trabalho da maioria dos enfermeiros.
Objetivo: verificar na literatura quais so as tecnologias a distncia mais utilizadas para educao permanente dos enfermeiros.
Mtodos: reviso integrativa da literatura, a partir dos descritores controlados; educao a distncia, educao em enfermagem, educao continuada e enfermagem acrescidos do operador booleano AND. A busca dos artigos foi realizada nas bases de dados Lilacs, PubMed, CINAHL, Web of Science e no portal de peridicos Scielo, no perodo de janeiro de 2005 a abril de 2015.
Concluses: foram elegveis 18 artigos publicados entre 2006 e 2015, sendo quinze no Brasil e trs no exterior. Quanto ao nvel de evidncia, nove eram nvel IV, quatro Nvel VI, trs Nvel III e dois Nvel II. Quinze artigos utilizaram o AVA como tecnologia a distncia para educao permanente de enfermeiros, dois a Telenfermagem e um Web site para abordar diversas temticas. a escassez de estudos experimentais e quase-experimentais em relao a utilizao das tecnologias a distncia para educao permanente de enfermeiros evidencia a necessidade de se realizar pesquisas desta natureza sobre essa temtica.

Palavras chave: tecnologia; educao a distncia; educao em enfermagem; educao continuada; Enfermagem.


RESUMEN

Introduccin: la eficacia de la educacin continua online puede estar justificada por la flexibilidad de aprendizaje adaptado de acuerdo a las necesidades de las enfermeras y la accesibilidad en cualquier tiempo y espacio. Esta forma de Educacin Continua se ha considerado como viable y adecuada para las condiciones de trabajo de la mayora de las enfermeras.
Objetivo: comprobar en la literatura cules son las tecnologas a distancia ms utilizadas para educacin permanente de enfermeros.
Mtodos: revisin integradora de la literatura a partir de los descriptores controlados: educacin a distancia, educacin en enfermera, educacin continua y enfermera, adems del operador lgico AND. Se realiz la bsqueda de los artculos en las bases de datos LILACS, PubMed, CINAHL, Web of Science y SciELO, en el periodo de enero de 2005 hasta abril de 2015.
Conclusiones: fueron elegibles 18 artculos publicados entre 2006 y 2015, siendo quince en Brasil y tres en el extranjero. Cuanto al nivel de evidencia, nueve eran de nivel IV, cuatro Nivel VI, tres Nivel III y dos Nivel II. Quince artculos utilizaran el AVA como la tecnologa a distancia para la educacin permanente de enfermeros, dos Telenfermagem y uno pgina web para abordar diferentes temas. La escasez de estudio experimental y cuasi-experimental en relacin al uso de las tecnologas a distancia para educacin permanente de enfermeros muestra la necesidad de realizar investigaciones de esta naturaleza sobre este tema.

Palabras clave: tecnologa; educacin a distancia; educacin en enfermera; educacin continua; Enfermera.


ABSTRACT

Introduction: the effectiveness of online Continuing education can be justified by the flexibility of learning adapted according to the needs of nurses and accessibility at any time and space. This form of Continuing Education has been seen as viable and suitable for the working conditions of most nurses.
Objective: to verify in literature the distance technologies most used for the continuing education of nurses.
Methods: integrative literature review, from controlled descriptors; distance education, nursing education, continuing education, and nursing, added by the Boolean operator AND. The search for articles was conducted in the following databases: Lilacs, PubMed, CINAHL, Web of Science, and in Scielo journals portal, from January of 2005 to April of 2015.
Conclusions: there were 18 eligible articles published between 2006 and 2015, being fifteen in Brazil and three abroad. As for the evidence level, nine were in level IV, four in Level VI, three in Level III, and two in Level II. Fifteen articles used the AVA as a distance technology for continuing education of nurses, two used the Telenfermagem, and one used a Web site to address different topics. the lack of experimental and quasi-experimental studies regarding the use of distance technologies for nursing continuing education highlights the need to conduct research of this nature on this topic.

Keywords: Technology; distance education; nursing education; continuing education; Nursing.


 

 

INTRODUO

A educao a distncia (EaD) uma metodologia de ensino, na qual professor e aluno no esto presentes fisicamente na mesma hora e espao geogrfico, que permite estudo individual ou em grupo por meio de tecnologias sncronas ou assncronas.1-4

As geraes da EaD so geralmente classificadas de acordo com o tipo de tecnologia empregada, sendo a primeira baseada nos sistemas por correspondncia, a segunda no rdio e televiso, a terceira no texto, udio e televiso e a quarta na EaD por meio de Internet.5

Entre as vantagens da EaD destacam-se a utilizao da Internet para disponibilizar atividades de capacitao, possibilidade de disseminao de informaes, transposio de barreiras geogrficas, otimizao do tempo, facilidade de acesso, relao custo/benefcio favorvel, discusso de temas direcionados para problemas do cotidiano de trabalho, flexibilidade de aprendizado, podendo o aluno estudar em casa, no trabalho, em movimento ou onde for mais conveniente.1,2

Com relao s desvantagens destacam-se o acesso limitado Internet, falta de habilidades no manuseio de ferramentas disponibilizadas por um curso online, necessidade de disciplina e organizao do aluno, empobrecimento na formao de vnculos afetivos e necessidade de conhecimento bsico de informtica para elaborao de atividades, entre outras.6

Em 2004, o Ministrio da Sade estabeleceu a Poltica Nacional de Educao Permanente em Sade (PNEPS) pela Portaria n198/04/GM/MS,7 como proposta estratgica para a transformao das prticas de sade e organizao dos servios, articulando as esferas de gesto, instituies formadoras e o sistema de sade. No ano de 2006, o governo federal firmou o Pacto pela Sade por meio da Portaria GM/MS 399/06,8 a qual apresentava mudanas na gesto da educao permanente em sade (EPS), sendo essa reestruturada em 2007 com a instituio da Portaria n1996/07/GM/MS.9

A educao permanente a aprendizagem no trabalho, em que o aprender e o ensinar se incorporam ao cotidiano das organizaes e ao trabalho, se baseando na aprendizagem significativa e na possibilidade de transformar as prticas profissionais.10 A EPS busca a construo de novas prticas em sade e Enfermagem e a EaD representa relevante ferramenta que pode ser usada na melhoria da gesto do conhecimento, da qualidade da assistncia e da satisfao do atendimento ao cliente.10

A PNEPS tornou-se estratgia fundamental para a dinmica de funcionamento do Sistema nico de Sade (SUS), subsidiando transformao das aes e consolidando esse modelo de sade nos servios, considerando que a EPS um dos pilares para a organizao da gesto democrtica e elaborao de prticas inovadoras.11,12

Nos dias atuais, possvel potencializar a educao permanente com o aporte das tecnologias a distncia, aproximando o conhecimento produzido s prticas desenvolvidas pelos profissionais de sade. Para isso, necessrio fortalecimento dos modelos de ensino a distncia que privilegiem a problematizao e integrem o desenvolvimento de projetos de educao permanente em servio.10

Na literatura, ainda no h estudo que mostre quais so as tecnologias a distncia mais utilizadas para educao permanente de enfermeiros. Este estudo se justifica pelo fato de que, essas tecnologias so mais flexveis e interativas, podendo melhorar o conhecimento dos enfermeiros sobre diferentes temticas, a qualidade da assistncia e a satisfao do cliente nos servios de sade. Mediante ao exposto, o presente estudo teve por objetivo verificar na literatura quais so as tecnologias a distncia mais utilizadas para educao permanente dos enfermeiros.

 

MTODOS

Reviso integrativa da literatura, realizada de acordo com as etapas de: elaborao da questo de pesquisa, busca na literatura, extrao de dados, avaliao dos estudos, anlise e sntese dos resultados e apresentao da reviso.13

Para este estudo, elegeu-se a seguinte questo de pesquisa: "Quais tecnologias a distncia so mais utilizadas para educao permanente de enfermeiros?"

A busca na literatura ocorreu no perodo de maro e abril de 2015, nas bases de dados: Literatura Latino-Americana e do Caribe em Cincias da Sade (LILACS),Cumulative Index toNursingandAllied Health Literature (CINAHL), National Library of Medicine (PUBMED), web of Science e noportal de peridicosScientific Eletronic Library Online (SciELO), por meio dos descritores "Educao a distncia/ Distanceeducation"" e "Educao em enfermagem/ Nursingeducation", acrescidos do operador booleano AND, pesquisados nos dicionrios DeCS (Descritores em Cincias da Sade) e MeSH (Medical SubjectsHeadings).

Foram includos artigos originais completos, disponveis online nas bases de dados selecionadas e publicados nos idiomas portugus, ingls e espanhol, no perodo de janeiro de 2005 a abril de 2015 e excludos aqueles que estavam duplicados nas bases de dados ou que no responderam questo de pesquisa.

A busca nas bases de dados seguiu os procedimentos de leitura dos ttulos e resumos para identificar se os mesmos contemplavam a questo de pesquisa da reviso. Diante da pertinncia do estudo, prosseguiu-se com a verificao da disponibilidade do texto na ntegra. Os estudos que apresentavam texto e resumo com temtica pertinente, mas no disponibilizavam texto na ntegra, foram excludos da amostra. A busca e seleo dos artigos foi realizada por dois revisores de forma independente, no intuito de conferir maior rigor busca e incluso dos artigos.

Processo de busca e seleo dos artigos.14

De 2 409 publicaes:

LILACS: 160 estudos localizados; 87 excludos aps refinamento; 60 excludos por no responderem questo norteadora; 06 excludos por se tratarem de artigos de reviso; 01 excludo por se tratar de editorial; 06 includos.

CINAHL: 379 estudos localizados; 322 excludos aps refinamento; 52 excludos por no responderem questo norteadora; 05 excludos por se tratarem de artigos de reviso; 0 includo.

PUBMED: 1 358 estudos localizados; 1 279 excludos aps refinamento; 72 excludos por no responderem questo norteadora; 04 excludos por se tratarem de artigos de reviso; 03 includos.

WEB OF SCIENCE: 473 estudos localizados; 423 excludos aps refinamento; 46 excludos por no responderem questo norteadora; 04 includos.

SCIELO: 39 estudos localizados; 06 excludos aps refinamento; 22 excludos por no responderem questo norteadora; 03 excludos por se tratarem de estudos de reviso; 02 excludos por se tratarem de editoriais; 06 includos.

Das 19 Publicaes selecionadas: 1 Publicao duplicada, 18 Publicaes selecionadas.

Para extrao de dados foi utilizado um instrumento adaptado15 contendo: autor, ttulo, ano e peridico de publicao, tecnologias a distncia mais utilizadas para educao permanente de enfermeiros e nvel de evidncia, estratificado em: Nvel I- Metanlise de mltiplos estudos controlados; Nvel II- Estudos experimentais individuais (ensaio clnico randomizado); Nvel III- Estudos quase experimentais (ensaio clnico no randomizado, grupo nico pr e ps-teste, sries temporais ou caso-controle); Nvel IV- Estudos no experimentais (pesquisa descritiva, correlacional e comparativa, pesquisas qualitativas e estudos de caso); Nvel V- Dados de avaliao de programa e dados obtidos de forma sistemtica; Nvel VI- Opinies de especialistas, relatos de experincias, consensos, regulamentos e legislaes.16

A anlise dos artigos foi realizada de forma descritiva e a sntese dos mesmos dispostos em um quadro com as tecnologias a distncia mais usadas para educao permanente de enfermeiros agrupadas em trs categorias: ambiente virtual de aprendizagem (AVA), Telenfermagem e Web sites.

Os princpios ticos foram mantidos, respeitando-se os direitos autorais dos autores, mediante a citao de cada um deles.

 

DESARROLLO

Os 18 artigos selecionados nesta reviso foram publicados entre 2006 e 2015, sendo quinze no Brasil e trs no exterior. Quanto ao nvel de evidncia, nove eram nvel IV,2,17-24 quatro Nvel VI,12,25-27 trs Nvel III28-30 e dois Nvel II.31,32 Quinze artigos utilizaram o AVA como tecnologia a distncia para educao permanente de enfermeiros,12,17-23,25,26,28-32 dois a Telenfermagem 2,27 e um Web site24 abordando diversas temticas: amamentao, Sndrome da Imunodeficincia Adquirida (AIDS), ressuscitao cardiorrespiratria em neonatologia, infeco de stio cirrgico, processos de esterilizao de matrias, cuidados preventivos do p em pacientes com diabetes mellitus, cardioverso e desfibrilao, tratamento de feridas, lcera venosa, delrio em pacientes idosos, feridas crnicas, eventos adversos e doenas transmissveis (quadro).

Quadro. Artigos selecionados para o estudo

Autores

Título

Ano / periódico

Método / Nível de evidência

Tecnologias a distância utilizadas para educação permanente de enfermeiros

Lima MB, et al.

Educação a distância para comunicação entre enfermeiros e cegos.

2012/Journal of Health Informatics

Relato de experiência/VI

Curso a distância em AVA para capacitação de enfermeiros diante da comunicação verbal e não verbal com cegos durante a consulta de enfermagem.

Khatony A, et al.

The effectiveness of web-based and

face-to-face continuing education methods on nurses' knowledge about AIDS: a comparative study.

2009/BMC Medical Education

Estudo quase experimental/III

Método de ensino baseado na WorldWide Web ( web) e presencial como estratégias de educação permanente para melhorar o conhecimento dos enfermeiros sobre a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS).

Rodrigues RCV, Peres HHC.

Desenvolvimento de Ambiente Virtual de Aprendizagem em Enfermagem sobre ressuscitação cardiorrespiratória em neonatologia.

2013/Rev. Esc. Enferm. USP

Pesquisa aplicada de produção tecnológica/IV

AVA para educação continuada em enfermagem sobre ressuscitação cardiorrespiratória em neonatologia.

Silva LMG,

Gutiérrez MGR, Domenico EBL.

Ambiente virtual de aprendizagem na educação continuada em enfermagem.

2010/Acta Paul Enferm

Relato de experiência/VI

Projeto educativo semipresencial para controle de infecção de sítio cirúrgico, direcionado aos enfermeiros de um hospital universitário.

Quelhas MCF,

Lopes MHBM, Ropoli EA.

Educação a distância em processos de esterilização de materiais.

2008/Rev. Esc. Enferm. USP

Pesquisa metodológica/IV

Curso a distância sobre processos de esterilização de materiais, com o uso da Internet.

Padalino Y; Peres HHC.

E-learning : Estudo comparativo da apreensão do conhecimento entre enfermeiros.

2007/Rev. Latino-Americana de Enfermagem

Estudo experimental individual/II

Método e-learning e presencial para treinamento de enfermeiros sobre ferramentas da qualidade.

Grossi MG, Kobayashi RM.

A construção de um ambiente virtual de

aprendizagem para educação a distância:

uma estratégia educativa em serviço.

2013/RevEscEnferm USP

Relato de experiência/VI

AVA em rede social para implementação da EAD e a inclusão tecnológica em serviço com enfermeiros de um hospital.

Sanches LMP, Lopes MHBM.

Educação a distância sobre cardioversão e desfibrilação para enfermeiros.

2008/RevBrasEnferm

Estudo descritivo/IV

Curso a distância sobre Cardioversão e Desfibrilação para enfermeiros, utilizando o AVA do Teleduc.

Ribeiro MAS,

Lopes MHBM.

Desenvolvimento, aplicação e avaliação

de um curso a distância sobre tratamento de feridas.

2008/Rev Latino-am

Enfermagem

Pesquisa aplicada,

Longitudinal/IV

Curso a distância por meio do AVA TelEduc para enfermeiros sobre tratamento de feridas.

Queiroz FM, et al.

Úlcera venosa e terapia compressiva para enfermeiros: desenvolvimento de curso online.

2012/Acta Paul Enferm.

Estudo de desenvolvimento/IV

Curso on-line sobre úlcera venosa, com enfoque em terapia compressiva, para capacitação de enfermeiros.

Steeg LV, et al.

Can an e-learning course improve nursing care for older people at risk of delirium: a stepped wedge cluster randomized trial.

2014/BMC Geriatrics

Estudo controlado randomizado/II

E-learning sobre delírio em pacientes idosos de hospitais gerais holandeses para melhorar a qualidade na atenção.

Gonçalves MBB, Rabeh SAN, Terçariol CAS.

Contribuição da educação a distância para o conhecimento de docentes de enfermagem sobre avaliação de feridas crônicas.

2015/Rev. Latino-am Enfermagem

Estudo quase experimental/III

Curso de atualização sobre a avaliação de feridas crônicas no AVA do Moodle para docentes de enfermagem e enfermeiros vinculados ao ensino superior sobre a temática.

Casaburi PR, Westin UM, Zem-Mascarenhas SH.

Elaboração e avaliação de conteúdo educacional sobre Úlceras por Pressão

2012/Journal of Health Informatics

Estudo descritivo exploratório/IV

Conteúdo educacional sobre úlcera por pressão para a educação a distância.

Xelegati R, Évora YDM

Desenvolvimento de ambiente virtual de aprendizagem em eventos adversos, em enfermagem.

2011/Rev. Latino-am Enfermagem

Pesquisa aplicada/IV

AVA sobre gerenciamento em eventos adversos, para educação permanente de enfermeiros, abordando as temáticas: úlcera por pressão, erros de medicação, flebite, queda e perda de sonda nasogastroenteral.

Alexander LK, et al.

Partnering to Meet Training Needs: A Communicable-Disease Continuing Education Course for Public Health Nurses in North Carolina.

2008/Public Health Reports

Estudo quase experimental/III

Curso de educação continuada sobre doenças transmissíveis para enfermeiros da Carolina do Norte com uso da Internet.

Godoy SCB; Guimarães EMP; Assis DSS.

Avaliação da capacitação dos enfermeiros em unidades básicas de saúde por meio da Telenfermagem.

2014/Rev. Escola Anna Nery

Descritivo, abordagem qualitativa/IV

Educação permanente a distância para a equipe de enfermagem das Unidades Básicas de Saúde nos municípios cadastrados pelo projeto Telenfermagem.

Prado C, et al.

Teleamamentação no Programa Nacional de Telessaúde no Brasil: a experiência da Telenfermagem.

2013/RevEscEnferm USP

Relato de experiência/VI

Teleamamentação para proporcionar aos profissionais da atenção primária informações sobre diversos aspectos da amamentação por diferentes profissionais da área da saúde.

Alves VLS, et al.

Criação de um Web Site para enfermeiros sobre Pé Diabético.

2006/Acta Paul Enferm

Estudo de desenvolvimento/IV

Web site educacional para enfermeiros sobre avaliação e cuidados preventivos do pé em pacientes com diabetes mellitus.

Ambiente Virtual de Aprendizagem

A Educao a Distncia (EaD) sofreu novo impulso com a utilizao dos recursos da Informtica, possibilitando o ensino no presencial e o semipresencial de pessoas do mundo todo. Experincias slidas e bem-sucedidas na Europa, Estados Unidos e Canad, evidenciam que a imagem desta modalidade de ensino deixou de ser considerada de segunda linha e baixo custo e passou a ser encarada como uma modalidade de qualidade, acessvel e interativa.5,6

Com o desenvolvimento da Internet e a popularizao do uso do computador, surgiram diversas ferramentas capazes de auxiliar a criao e a oferta de cursos mediados por essa tecnologia, tal como o AVA. Apesar da expresso AVA ser, atualmente, muito utilizada, seu conceito merece ateno. De modo geral, AVA refere-se ao uso de recursos digitais de comunicao, principalmente, por meio de softwares educacionais via web que renem diversas ferramentas de interao sncronas e assncronas.3

Um AVA pode ainda ser conceituado como espao de relaes com o saber, que o objetivo maior do processo de aprendizagem. Tal espao compreendido por autores como ambientes favorecedores de construo do conhecimento a partir das interaes dos alunos com os contedos, com os outros alunos e com os professores.12

Esse ambiente de aprendizagem agrega dados e informaes disponibilizadas por meio de diferentes mdias (textos, imagem e som), conectadas por links que podem direcionar o usurio dentro do ambiente ou fora dele. O AVA considerado dinamizador do processo de ensino e aprendizagem. Alunos e mediadores redimensionam o ensinar e o aprender, ampliando a aprendizagem nas dimenses espaciais e temporais. Alm disso, ocorre mudana nos papis do aluno e do professor que fazem com que os alunos alcancem novo patamar: passa a ter mais autonomia para aprender e o professor passa a ser moderador/facilitador do processo de aprendizagem durante a interao por meio das redes que permitem discusses sncronas e assncronas.12

Neste sentido, o AVA uma tecnologia a distncia potencial para a aprendizagem, pois ao transitar pelo ambiente o educando tem a oportunidade de visualizar, participar, interagir, cooperar e construir ativamente seu conhecimento.33

Investigaes nacionais e internacionais envolveram a Enfermagem na era da Informtica e mostraram seu uso no ensino, na pesquisa, na administrao e na assistncia.12,17,26,33 Os achados desta reviso evidenciam que a partir de 2006 a Enfermagem brasileira, apresentou significativo crescimento da produo cientfica na rea de tecnologia a distncia com tendncia a desenvolver AVA a partir de pesquisas de Iniciao Cientfica, Mestrado e Doutorado, para educao permanente de enfermeiros na rea assistencial e na educao em sade da populao.3,12,17-23,25,26,28-32

O AVA uma realidade e apesar de estar sendo utilizado no Brasil amplamente, necessita de aprimoramento que ser realizado ao longo das necessidades que forem surgindo com as pesquisas realizadas. Esta utilizao, oportunizar a organizao de espaos potencializadores do processo de ensino e aprendizagem. Contudo, a apropriao dessa tecnologia de ensino a distncia somente contribuir com a qualificao da educao permanente de enfermeiros medida que houver planejamento adequado e comprometimento dos gerentes dos servios de sade e dos pesquisadores (professor/aluno), para propiciar condies de mudanas na prtica clnica.

Telenfermagem

No Brasil, a Portaria 35/200734 instituiu no mbito do Ministrio da Sade, o Programa Nacional de Telessade com o objetivo de desenvolver aes de apoio assistncia sade e sobretudo de educao permanente de Sade da Famlia, visando educao para o trabalho, na perspectiva de mudanas de prticas de trabalho, que resultem na qualidade do atendimento da Ateno Bsica. Em 2011, a Portaria 2546/2011 35 redefiniu e ampliou o Programa Telessade Brasil, que passou a ser denominado Programa Nacional Telessade Brasil Redes.

O Projeto Telenfermagem parte do Programa Nacional de Telessade e sua finalidade visualizar novas formas de prestar a assistncia, considerando as necessidades locais e, com isso, colaborar para a transformao das realidades prticas, uma vez que oferece a possibilidade de EaD para a equipe de sade. Esta tecnologia de ensino-aprendizagem utiliza recursos tecnolgicos de informao, por meio da interligao via rede dos pontos de acesso, para melhorar a prestao da assistncia nas unidades de sade e contribuir para a formao permanente dos profissionais de Enfermagem. 36

No cenrio das unidades de sade, a Telenfermagem vem contribuindo no processo de educao no trabalho, permitindo que os profissionais de sade, especialmente os da Enfermagem, realizem sua capacitao profissional no prprio local de trabalho. As ferramentas empregadas pelo Telenfermagem para a EaD envolvem a videoconferncia, que consiste em um sistema de comunicao entre pontos geograficamente afastados, possibilitando a troca de imagens, vdeos e udios entre as partes conectadas em tempo real, e a teleconsultoria online e offline, que permite ao profissional obter uma segunda opinio para auxiliar na tomada de deciso de casos clnicos e de gesto em sade.36

Estudos2,27,37 apontam que o Telenfermagem amplia o acesso dos profissionais s aes de educaopermanente em sade mediado pelas tecnologias de Informao e Comunicao (TICs), evitando o deslocamento geogrfico desnecessrio de usurios do SUS, aumentando a capacidade de resolutividade dos problemas de sade pelas equipes, bem como permitindo a integralidade docuidado. Como desafio a incorporao das ferramentas do Telenfermagem no processo de trabalho do profissional na instituio requer apoio dos gestores, que devem ser sensibilizados para reconhecer o quanto estas so relevantes para a educao permanente da equipe de Enfermagem, ao facilitar as aes e auxiliar os trabalhadores no exerccio de sua profisso.

Web sites

No contexto das comunicaes eletrnicas, Web site e Site tem o mesmo significado e fazem referncia a uma pgina ou a um agrupamento de pginas relacionadas entre si, acessveis na Internet por meio de um endereo eletrnico. Os web sitespodem ser institucionais, informativos, pessoais, comunitrios, entre outros. Nas pginas de um web site podem ser colocadas diversas mdias (textos, imagens, vdeos ou animaes digitais).

Uma proposta de web sitedeve ser avaliada por juzes das reas de Informtica em sade e Enfermagem, visando ajustes dos aspectos pedaggicos (contedo, atividades e interao) e tcnicos (tempo de resposta e qualidade da interface).3,38

Em um estudo foi apresentado um relato de experincia da construo de um web site para enfermeiros sobre p diabtico.24 O estudo apresenta as fases de construo do projeto e traz avaliao da ferramenta por experts da rea clnica em questo, de design, interface e manipulao. 90 % dos experts consideraram a ferramenta como excelente, muito bom ou bom e indicaram contribuies para o aperfeioamento do web site.

Acredita-se que EaD baseada na Internet possa colaborar com a educao permanente, uma vez que, em um pas com grandes lacunas educacionais, acesso fcil s TICs possa eliminar barreiras geogrficas e, gradualmente, promover educao de qualidade.

 

CONCLUSES

Os resultados desta reviso apontam aumento da produo cientfica brasileira, em relao ao uso de tecnologia a distncia para educao permanente de enfermeiros, no intuito de promover mudanas na prtica clnica que melhorem a qualidade da assistncia de Enfermagem. Este aumento, pode ter sido consequncia do Programa Nacional de Telessade institudo no Brasil, em 2007. Apesar disso, h escassez de estudos experimentais e quase-experimentais para produo de evidncias fortes sobre a temtica no mundo.

O AVA foi a tecnologia a distncia mais utilizada para educao permanente de enfermeiros sobre diversas temticas que enfocavam desde a preveno de doenas, promoo da sade at a recuperao e reabilitao de agravos sade.

Desta forma, a EaD pode colaborar na educao permanente de enfermeiros, visto que uma modalidade de ensino que estimula a construo do conhecimento, fomenta a autonomia do aluno na busca e aprofundamento de contedo, desenvolve habilidades, melhora a capacidade de argumentao e o trabalho em conjunto com os outros participantes. Com isto, a EaD no pretende substituir o ensino tradicional, mas se consolidar como metodologia complementar no processo de ensino-aprendizagem dos enfermeiros.

Por ltimo, os estudos desta reviso apontam algumas dificuldades tidas para utilizao das tecnologias a distncia, entre as quais se destacaram a falta de familiaridade com as ferramentas do AVA, escassez de tempo para desenvolver as atividades propostas pelo programa de educao permanente a distncia; dificuldade de acesso Internet, perda da conexo, falta de conhecimento e habilidade para manusear a tecnologia e pouca interao entre tutor e aluno.

 

REFERNCIAS BIBLIOGRAFICAS

1. Mutea N, Cullen D. Kenya and distance education: A model to advance graduate nursing. International Journal of Nursing Practice. 2012;18(4):417-22.

2. Godoy CBG, Guimares EMP, Assis DSS. Avaliao da capacitao dos enfermeiros em unidades bsicas de sade por meio da Telenfermagem. Esc. Anna Nery. 2014;18(1):148-55.

3. Camacho ACLF. Anlise das publicaes nacionais sobre educao a distancia na enfermagem. Rev. Bras. Enferm. 2009;62(4):588-93.

4. Rodrigues RCV, Peres HHC. Panorama brasileiro do ensino de Enfermagem On-line. Rev. Esc. Enferm. USP. 2008;42(2):298-304.

5. Vilaa MLC. Educao a Distncia e Tecnologias: conceitos, termos e um pouco de histria. Revista Magistro, Revista do Programa de Ps-Graduao em Letras e Cincias Humanas - UNIGRANRIO. 2010 [citado 2015 Abr 15];1(2):89-101. Disponvel em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/magistro/article/viewFile/1197/801

6. Belloni ML. Educao a Distncia. So Paulo: Editora Autores Associados, 2008.

7. Brasil. Ministrio da Sade. Portaria N198/GM/MS: institui a Poltica Nacional de Educao Permanente em Sade como estratgia do Sistema nico de Sade para a formao e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e d outras providncias. Braslia (DF): Ministrio da Sade; 2004.

8. Brasil. Ministrio da Sade. Portaria n. 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Sade 2006 - Consolidao do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Dirio Oficial da Unio, Braslia. 2006 Fev 23;Seo I,p. 43.

9. Brasil. Ministrio da Sade (BR). Portaria N1996 GM/MS: substitui a Portaria GM/MS n 198, de 13 de fevereiro de 2004. Poltica Nacional de Educao Permanente em Sade. Departamento de Gesto da Educao na Sade. Secretaria de Gesto do Trabalho e da Educao naSade. Braslia (DF): Ministrio da Sade; 2007.

10. Brasil. Ministrio da Sade. Poltica Nacional de Educao Permanente em Sade. Braslia (DF); 2009.

11. Merhy EE, Feuerwerker LCM, Ceccim RB. Educcion Permanente enSalud: una Estrategia para Interveniren La Micropoltica delTrabajoenSalud. Salud Coletiva. 2006;2(2):147-60.

12. Grossi MG, Kobayashi RM. A construo de um ambiente virtual de aprendizagem para educao distncia: uma estratgia educativa em servio . Rev. Esc. Enferm. USP. 2013;47(3):756-60.

13. Mendes KDS; Silveira RCCP; Galvo CM. Reviso integrativa: mtodo de pesquisa para a incorporao de evidncias na sade e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008 [citado 2015 Mar 12];17(4):758-64. Disponvel em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v17n4/18.pdf.

14. Lobato BC, Teixeira CRS, Zanetti GG, Zanetti ML, Oliveira MD. Evidncias das implicaes do diabetes mellitus no trabalho: uma reviso integrativa. Rev. Eletr. Enf. 2014;16(4):822-32.

15. Nicolussi AC. Qualidade de vida de pacientes com cncer de clon e reto: uma reviso integrativa [dissertao]. Ribeiro Preto: Escola de Enfermagem de Ribeiro Preto/USP; 2008. Disponvel em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde03092008111111/publico/adrianacristinanicolussi.pdf

16. Stetler CB, Morsi D, Rucki S, Broughton S, Corrigan B, Fitzgerald J, et al. Utilization-focused integrative reviews in a nursing service. Appl. nurs.res. 1998 [citado 2015 Mar 22];11(4):195-206. Disponvel em:
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0897189798803297

17. Rodrigues RCV, Peres HHC. Desenvolvimento de Ambiente Virtual de Aprendizagem em Enfermagem sobre ressuscitao cardiorrespiratria em neonatologia. Rev. Esc. Enferm. USP, 2013;47(1):235-41.

18. Quelhas MCF, Lopes MHBM, Ropoli EA. Educao distncia em processos de esterilizao de materiais. Rev. Esc. Enferm. USP. 2008;42(4):694-702.

19. Sanches LMP, Lopes MHBM. Educao distncia sobre cardioverso e desfibrilao para enfermeiros. Rev. Bras. Enferm. 2008;61(5):583-8.

20. Ribeiro MAS, Lopes MHBM. Desenvolvimento, aplicao e avaliao de um curso a distncia sobre tratamento de feridas. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2006 [citado 2015 Mar 14];14(1):77-84. Disponvel em: http://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/2211/2327

21. Queiroz FM, Aroldi JBC, Oliveira GDS, Peres HHC, Santos VLCG. lcera venosa e terapia compressiva para enfermeiros: desenvolvimento de curso online. Acta Paul. Enferm. 2012;25(3):435-40.

22. Casaburi PR, Westin UM, Zem-Mascarenhas SH. Elaborao e avaliao de contedo educacional sobre lceras por Presso. J. Health Inform. 2012;4(nmero esp.):120-4.

23. Xelegati R, vora YDM. Desenvolvimento de ambiente virtual de aprendizagem em eventos adversos, em enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2011 [citado 2015 Mar 23];19(5):[aprox. 8 p.]. Disponvel em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n5/pt_16.pdf

24. Alves VLS, Cunha ICKO, Marin HF, Oliveira O. Criao de um WebSite para enfermeiros sobre P Diabtico. Acta Paul. Enferm. 2006;19(1):56-61.

25. Lima MB, Silva CCF, Pagliuca LMF, Rebouas CBA. Educao distncia para comunicao entre enfermeiros e cegos. J. Health Inform. 2012;4(nmero esp.);226-9.

26. Silva LMG, Gutirrez MGR, Domenico EBL. Ambiente virtual de aprendizagem na educao continuada em enfermagem. Acta Paul. Enferm. 2010;23(5):701-4.

27. Prado C, Silva IA, Soares AVN, Aragaki IMM, Shimoda GT, Zaniboni VF, Et al. Teleamamentao no Programa Nacional de Telessade no Brasil: a experincia da Telenfermagem. Rev. Esc. Enferm. USP. 2013;47(4):990-6.

28. Khatony A, Nayery ND, Ahmadi F, Haghani H, Vehvilainen- Julkunen K. The effectiveness of web-based and face-to-face continuing education methods on nurses' knowledge about AIDS: a comparative study. BMC Medical Education. 2009 [citado 2015 Mar 16];9(41):1-7. Disponvel em: http://www.biomedcentral.com/content/pdf/1472-6920-9-41.pdf

29. Gonalves MBB, Rabeh SAN, Terariol CAS. Contribuio da educao distncia para o conhecimento de docentes de enfermagem sobre avaliao de feridas crnicas. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015 [citado 2015 Mar 23];23(1):122-9. Disponvel em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n1/pt_0104-1169-rlae-23-01-00122.pdf

30. Alexander LK, Dail K, Horney JA, Davis MV, Wallace JW, Maillard J-M, et al. Partnering to meet training needs: a communicable-disease continuing education course for public health nurses in North Carolina. Public Health Reports. 2008;123(Suppl 2):36-43.

31. Padalino Y, Peres HHC. E-learning: Estudo comparativo da apreenso do conhecimento entre enfermeiros. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet] 2007 [citado 2015 Mar 14];15(3):[aprox. 8 p.]. Disponvel em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v15n3/pt_v15n3a06.pdf

32. Steeg LV, Ijkema R, Langelaan M, Wagner C. Can an e-learning course improve nursing care for older people at risk of delirium: a stepped wedge cluster randomisedtrial. BMC Geriatrics. 2014 [citado 2015 Mar 13];14:69. Disponvel em: http://www.biomedcentral.com/1471-2318/14/69

33. Leite SM, Behar PA, Becker ML. A construo de ambientes virtuais de aprendizagem atravs de projetos interdisciplinares. In: Behar PA. Modelos pedaggicos em educao a distncia. Porto Alegre: Artmed; 2009. p. 114-45.

34. Brasil. Ministrio da Sade. Portaria n 35, de 4 de janeiro de 2007. Institui, no mbito do Ministrio da Sade, o Programa Nacional de Telessade. Dirio Oficial da Unio, Braslia, DF, n. 4. 2007 Jan 5;Seo 1. p. 85.

35. Brasil. Ministrio da Sade. Portaria n2546, de 27 de outubro de 2011. Redefine e amplia o Programa Telessade Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessade Brasil Redes (Telessade Brasil Redes). Brasil: Ministrio da Sade; 2011.

36. Guimares EMP, Godoy SCB. Telenfermagem - Recurso para assistncia e educao em enfermagem. Rev. Min. de Enferm. 2012;16(2):157-8.

37. Campos FE, Haddad AE, Wen CL, Alkmin MBM. Telessade em apoio ateno primria sade no Brasil. In: Santos AF. Souza C. Alves HJ. Santos SF. Organizadores. Telessade: um instrumento de suporte assistencial e edu cao permanente. Belo Horizonte: UFMG; 2006. p. 59-74.

38. Filatro A. Learning design: fundamentos terico-prticos para o design instrucional contextualizado [tese]. So Paulo: Faculdade de Educao, Universidade de So Paulo; 2008 [citado 2017 Ago 12]. Disponvel em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-12062008 142556/publico/Cap1Introducao.pdf

 

 

Recibido: 2015-12-15.
Aprobado: 2016-02-28.

 

 

Delmo de Carvalho Alencar. Universidade Federal do Piau - UFPI. Rua Josias Anto de carvalho, 103, Centro, Pio IX-Piau-Brasil. CEP: 64660-000. Direccin electrnica:delmo-carvalho@hotmail.com

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2017 Revista Cubana de Enfermería

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.