Tecnologia a distância para educação permanente de enfermeiros

Delmo de Carvalho Alencar, Maria do Carmo Campos Pereira, Elaine Maria Leite Rangel Andrade

Texto completo:

HTML (Português (Brasil))

Resumen

Introdução: a efetividade da Educação permanente online pode ser justificada pela flexibilidade da aprendizagem adaptada conforme as necessidades dos enfermeiros e acessibilidade em qualquer tempo e espaço. Essa forma de Educação permanente tem sido vista como viável e adequada para as condições de trabalho da maioria dos enfermeiros.

Objetivo: verificar na literatura quais são as tecnologias a distância mais utilizadas para educação permanente dos enfermeiros.

Métodos: revisão integrativa da literatura, a partir dos descritores controlados; educação a distância, educação em enfermagem, educação continuada e enfermagem acrescidos do operador booleano AND. A busca dos artigos foi realizada nas bases de dados Lilacs, PubMed, CINAHL, Web of Science e no portal de periódicos Scielo, no período de janeiro de 2005 a abril de 2015.

Conclusões: foram elegíveis 18 artigos publicados entre 2006 e 2015, sendo quinze no Brasil e três no exterior. Quanto ao nível de evidência, nove eram nível IV, quatro Nível VI, três Nível III e dois Nível II. Quinze artigos utilizaram o AVA como tecnologia a distância para educação permanente de enfermeiros, dois a Telenfermagem e um Web site para abordar diversas temáticas. a escassez de estudos experimentais e quase-experimentais em relação a utilização das tecnologias a distância para educação permanente de enfermeiros evidencia a necessidade de se realizar pesquisas desta natureza sobre essa temática.

Palabras clave

tecnologia; educação a distância; educação em enfermagem; educação continuada; Enfermagem.

Referencias

ÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

Mutea N, Cullen D. Kenya and distance education: A model to advance graduate nursing. International Journal of Nursing Practice. 2012;18(4):417-22.

Godoy CBG, Guimarães EMP, Assis DSS. Avaliação da capacitação dos enfermeiros em unidades básicas de saúde por meio da Telenfermagem. Esc. Anna Nery. 2014;18(1):148-55.

Camacho ACLF. Análise das publicações nacionais sobre educação a distancia na enfermagem. Rev. Bras. Enferm. 2009;62(4):588-93.

Rodrigues RCV, Peres HHC. Panorama brasileiro do ensino de Enfermagem On-line. Rev. Esc. Enferm. USP. 2008;42(2):298-304.

Vilaça MLC. Educação a Distância e Tecnologias: conceitos, termos e um pouco de história. Revista Magistro, Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras e Ciências Humanas – UNIGRANRIO. 2010 [citado 2015 Abr 15];1(2):89-101. Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/magistro/article/viewFile/1197/801

Belloni ML. Educação a Distância. São Paulo: Editora Autores Associados, 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº198/GM/MS: institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Diário Oficial da União, Brasília. 2006 Fev 23;Seção I,p. 43.

Brasil. Ministério da Saúde (BR). Portaria Nº1996 GM/MS: substitui a Portaria GM/MS nº 198, de 13 de fevereiro de 2004. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação naSaúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília (DF); 2009.

Merhy EE, Feuerwerker LCM, Ceccim RB. Educácion Permanente enSalud: una Estrategia para Interveniren La Micropolítica delTrabajoenSalud. Salud Coletiva. 2006;2(2):147-60.

Grossi MG, Kobayashi RM. A construção de um ambiente virtual de aprendizagem para educação à distância: uma estratégia educativa em serviço. Rev. Esc. Enferm. USP. 2013;47(3):756-60.

Mendes KDS; Silveira RCCP; Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008 [citado 2015 Mar 12];17(4):758-64. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v17n4/18.pdf.

Lobato BC, Teixeira CRS, Zanetti GG, Zanetti ML, Oliveira MD. Evidências das implicações do diabetes mellitus no trabalho: uma revisão integrativa. Rev. Eletr. Enf. 2014;16(4):822-32.

Nicolussi AC. Qualidade de vida de pacientes com câncer de cólon e reto: uma revisão integrativa [dissertação]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP; 2008. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde03092008111111/publico/adrianacristinanicolussi.pdf

Stetler CB, Morsi D, Rucki S, Broughton S, Corrigan B, Fitzgerald J, et al. Utilization-focused integrative reviews in a nursing service. Appl. nurs.res. 1998 [citado 2015 Mar 22];11(4):195-206. Disponível em:

Rodrigues RCV, Peres HHC. Desenvolvimento de Ambiente Virtual de Aprendizagem em Enfermagem sobre ressuscitação cardiorrespiratória em neonatologia. Rev. Esc. Enferm. USP, 2013;47(1):235-41.

Quelhas MCF, Lopes MHBM, Ropoli EA. Educação à distância em processos de esterilização de materiais. Rev. Esc. Enferm. USP. 2008;42(4):694-702.

Sanches LMP, Lopes MHBM. Educação à distância sobre cardioversão e desfibrilação para enfermeiros. Rev. Bras. Enferm. 2008;61(5):583-8.

Ribeiro MAS, Lopes MHBM. Desenvolvimento, aplicação e avaliação de um curso a distância sobre tratamento de feridas. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2006 [citado 2015 Mar 14];14(1):77-84. Disponível em:http://www.revistas.usp.br/rlae/article/view/2211/2327

Queiroz FM, Aroldi JBC, Oliveira GDS, Peres HHC, Santos VLCG. Úlcera venosa e terapia compressiva para enfermeiros: desenvolvimento de curso online. Acta Paul. Enferm. 2012;25(3):435-40.

Casaburi PR, Westin UM, Zem-Mascarenhas SH. Elaboração e avaliação de conteúdo educacional sobre Úlceras por Pressão. J. Health Inform. 2012;4(número esp.):120-4.

Xelegati R, Évora YDM. Desenvolvimento de ambiente virtual de aprendizagem em eventos adversos, em enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2011 [citado 2015 Mar 23];19(5): [08 telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n5/pt_16.pdf

Alves VLS, Cunha ICKO, Marin HF, Oliveira O. Criação de um WebSite para enfermeiros sobre Pé Diabético. Acta Paul. Enferm. 2006;19(1):56-61.

Lima MB, Silva CCF, Pagliuca LMF, Rebouças CBA. Educação à distância para comunicação entre enfermeiros e cegos. J. Health Inform. 2012;4(número esp.);226-9.

Silva LMG, Gutiérrez MGR, Domenico EBL. Ambiente virtual de aprendizagem na educação continuada em enfermagem. Acta Paul. Enferm. 2010;23(5):701-4.

Prado C, Silva IA, Soares AVN, Aragaki IMM, Shimoda GT, Zaniboni VF, Et al. Teleamamentação no Programa Nacional de Telessaúde no Brasil: a experiência da Telenfermagem. Rev. Esc. Enferm. USP. 2013;47(4):990-6.

Khatony A, Nayery ND, Ahmadi F, Haghani H, Vehvilainen- Julkunen K. The effectiveness of web-based and face-to-face continuing education methods on nurses' knowledge about AIDS: a comparative study. BMC Medical Education. 2009 [citado 2015 Mar 16];9(41):1-7. Disponível em: http://www.biomedcentral.com/content/pdf/1472-6920-9-41.pdf

Gonçalves MBB, Rabeh SAN, Terçariol CAS. Contribuição da educação à distância para o conhecimento de docentes de enfermagem sobre avaliação de feridas crônicas. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015 [citado 2015 Mar 23];23(1):122-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n1/pt_0104-1169-rlae-23-01-00122.pdf

Alexander LK, Dail K, Horney JA, Davis MV, Wallace JW, Maillard J-M, et al. Partnering to meet training needs: a communicable-disease continuing education course for public health nurses in North Carolina. Public Health Reports. 2008;123(Suppl 2):36-43.

Padalino Y, Peres HHC. E-learning: Estudo comparativo da apreensão do conhecimento entre enfermeiros. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet] 2007 [citado 2015 Mar 14];15(3): [08 telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v15n3/pt_v15n3a06.pdf

Steeg LV, Ijkema R, Langelaan M, Wagner C. Can an e-learning course improve nursing care for older people at risk of delirium: a stepped wedge cluster randomisedtrial. BMC Geriatrics. 2014 [citado 2015 Mar 13];14:69. Disponível em: http://www.biomedcentral.com/1471-2318/14/69

Leite SM, Behar PA, Becker ML. A construção de ambientes virtuais de aprendizagem através de projetos interdisciplinares. In: Behar PA. Modelos pedagógicos em educação a distância. Porto Alegre: Artmed; 2009. p. 114-45.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 35, de 4 de janeiro de 2007. Institui, no âmbito do Ministério da Saúde, o Programa Nacional de Telessaúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 4. 2007 Jan 5;Seção 1. p. 85.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº2546, de 27 de outubro de 2011. Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). Brasil: Ministério da Saúde; 2011.

Guimarães EMP, Godoy SCB. Telenfermagem – Recurso para assistência e educação em enfermagem. Rev. Min. de Enferm. 2012;16(2):157-8.

Campos FE, Haddad AE, Wen CL, Alkmin MBM. Telessaúde em apoio à atenção primária à saúde no Brasil. In: Santos AF. Souza C. Alves HJ. Santos SF. Organizadores. Telessaúde: um instrumento de suporte assistencial e educação permanente. Belo Horizonte: UFMG; 2006. p. 59-74.

Filatro A. Learning design como fundamentação teórico-prática para o design instrucional contextualizado [tese]. São Paulo: Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo; 2008 [citado 2017 Ago 12]. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-12062008 142556/publico/Cap1Introducao.pdf

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2017 Revista Cubana de Enfermería

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.